| | | | | |

APOSTILA DE HEMATOLOGIA

Dra. Taísa Michelucci Ribeiro

INTERPRETAÇÃO CLÍNICA E LABORATORIAL DO HEMOGRAMA

Hemograma
Hemograma: avaliação quantitativa e qualitativa dos elementos do sangue. Alterações fisiológicas podem ocorrer, por exercícios físicos e refeições gordurosas. Pode ser subdividido em 3 partes conforme o enfoque na série vermelha, branca e plaquetária. Eritrograma estuda as alterações nos eritrócitos, na hemoglobina, no hematócrito, nos índices globulares e na morfologia eritrocitária. Leucograma estuda a contagem total de leucócitos (leucometria) assim como as fórmulas percentual e absoluta e o estudo da morfologia. Plaquetograma faz uma estimativa do número de plaquetas e estuda sua morfologia.
A avaliação inicial de um paciente deve ser pelo Hemograma. O acompanhamento poderá ser feito utilizando-se o eritrograma (exemplo Insuficiência Renal Crônica) ou leucograma (abdomen agudo).

AVALIAÇÃO QUANTITATIVA: poderá ser feita pela contagem em câmara. A de eritrócitos está abandonada, pelo elevado coeficiente de variação (C.V.), mas a de leucócitos é aceitável. Contadores eletrônicos de células (por exemplo por condutividade) de terceira geração fazem plaquetas e leucócitos com controle de qualidade (CQ interno). Os de quarta geração possuem diluidor e fazem eritrócitos, leucócitos, linfócitos, plaquetas, hemoglobina, hematócrito, indíces globulares e controle de qualidade.

AVALIAÇÃO CLÍNICA: considerado o exame físico do sangue, todo pedido de hemograma deverá ser avaliado à luz de dados clínicos, como nos exemplos abaixo:
1) Leve anemia (Hb = 10 g/dl) ® ver se há exame anterior ® revisão de lâmina ® reticulócitos ® ver se há resultados de bilirrubina indireta e creatinina ® contactar o médico.
2) Hematócrito com plasma ictérico ® dosar Bilirrubinas.
3) Plaquetopenia ® conferir se há coágulos ® ver exames anteriores ® colher nova amostra.
4) Blastos, pancitopenia ® sugerir mielograma.
5) Anomalias genéticas ® emitir nota explicativa.
6) Resultados incompatíveis ® repetir na mesma amostra ® nova amostra.

ERITROGRAMA.
1) Anemia signifca contração da massa eritrocitária e policitemia a expansão desta.
2) Contagem de eritrócitos : ao analisar os valores lembrar que o CV é de 5% (isto é, em contagem de 5 milhões, 95% dos casos estarão entre 4,5 e 5,5). Eritrocitose significa aumento da contagem de eritrócitos.
3) Hemoglobina: os valores exatos dependem da sensibilidade dos hemoglobinômetros.
4) Hematócrito (Ht): o microhematócrito retém plasma (1 a 4%), o que interfere nos índices; nos contadores é calculado pelo número x volume, sendo sempre 1 ou 2 pontos abaixo da medida por centrifugação. Excesso de EDTA desidrata os eritrócitos, o que reduz o Ht (assim como a má limpeza das cubetas). Na faixa normal há correlação entre os 3 parâmetros (ver as regras de Rutzki na página 30).A dosagem do Ht/Hb da amostra reflete os valores da massa de eritrócitos e de hemoglobina total, exceto nas condições em que há alterações do volume plasmático ou volemia total.
Normalmente há correlação entre a massa de eritrócitos da amostra e a total. O aumento do volume plasmático (pseudoanemia) pode ser encontrado na gravidez, insuficência renal, baço grande, uso excessivo de líquidos endovenosos. A diminuição do volume plasmático (pseudoeritrocitose) no uso de diuréticos, na desidratação, na obesidade, no estresse e em queimaduras. Diminuição harmônica da volemia ocorre em hemorragia no início e prematuridade. Aumento harmônico da volemia ocorre na transfusão de sangue total.

TABELA 1: VALORES DE REFERÊNCIA RECOMENDADOS PARA ADULTOS

ÍNDICES SEXO MASCULINO SEXO FEMININO
eritrócitos, milhões/m l 5,3 ± 0,8 4,7 ± 0,7
hemoglobina g/dl 15,3 ± 2,5 13,8 ± 2,5
hematócrito % 47 ± 7 42 ± 6
VCM fl (femtolitros) 89 89

INDICES HEMATIMÉTRICOS.


VCM - (Volume corpuscular médio) 80-98 fl (femtolitros)
1) determinação direta nos contadores caracteriza tipo de anemia (macrocítica > 98 fl, microcítica < 80 fl e normocítica 80-98 fl).
2) a determinação usual (Ht x 10/eritrócitos) não têm valor: microhematócrito e contagem de eritrócitos têm erro elevado.

HCM - (hemoglobina corpuscular média) 27 a 32 pg (picogramas). Determinação usual: Hb x 10/eritrócitos. Na determinação eletrônica equivale ao VCM, na usual valem as restrições anteriores. HCM elevado encontrado em casos de macrocitose e reduzido em casos de hipocromia.

CHCM - (concentração de hemoglobina corpuscular média, em peso/volume - pg/fl ou %). Determinação usual: Hb/Ht, 31 a 35%. Valores acima de 36% não podem ocorrer, exceto na esferocitose, por perda de porções de membrana e desidratação do eritrócito. Rejeitar valor elevado do CHCM, causado por erro do Ht para menos e da Hb para mais. Com a tecnologia usual é o melhor índice de hipocromia, pois não depende da contagem de eritrócitos.

COLORAÇÕES.
1) O esfregaço deve ser de sangue sem contato com anticoagulante (punção digital ou da agulha).
2) O pH da água é fundamental para a otenção de bons resultados, através da mistura de fosfato monobásico (KH2PO4) e dibásico (Na2HPO4), o primeiro para a acidez e o segundo para alcalinidade.
3) Ao corar médula óssea, aumentar o tempo da segunda fase.
4) Pode-se recuperar esfregaços lavando em metanol e recorando 2ª fase.
5) O metanol (diluente) absorve água rapidamente: conservar o frasco do corante bem fechado.

MORFOLOGIA ERITROCITÁRIA.
Examinar as lâminas com os valores dos índices, idade, sexo e dados clínicos.

1) Macrocitose: facilmente notada se o VCM > 110; alcoolismo é causa comum; atenção especial na gravidez e idosos; procurar por hipersegmentação de neutrófilos (déficit de ac. fólico ou vitamina B12) É causada por hiperregeneração da medula, ou síntese alterada do DNA.

2) Microcitose e hipocromia: deficiência na síntese de hemoglobina (deficiência de ferro, Talassemias). A hipocromia poderá ser mais aparente do que real.

3) Anisocitose: presença de macro e microcitose ao mesmo tempo, sem predominância; seu significado é incerto.

4) População Dupla: presença concomitante de eritrócitos normais e anormais, por ex., anemias hipocrômicas tratadas por transfusão, ou nas primeiras semanas de tratamento com ferro..

5) Policromasia e Reticulocitose: eritrócitos jovens com DNA citoplasmático coram-se azulados na coloração usual (eritrócitos policromáticos); os ribosomas serão visíveis em coloração supra-vital ("Reticulócitos" - Rt). Permanecem 20 - 30 horas na circulação, e depois amadurecem (cerca de 1% ao dia para vida média eritrocitária de 120 dias). Reticulocitose significa aumento da eritropoiese, como resposta normal à anemia e hipoxemia; começa no 4º dia, máximo aos 8-15 dias e depois diminui. São necessárias duas correções (índice reticulócito) para compensar a eritrocitopenia e a liberação precoce da medula óssea, estimulada pela eritropoietina.

1ª correção : Rt (%) x Ht paciente/Ht normal. Considerar Ht 47 homens e 42 mulheres.

2ª correção : o valor obtido acima dividido pelo número de dias de duração de retículo, pela tabela a seguir:

TABELA 2: CORREÇÃO DA CONTAGEM DE RETICULÓCITOS CONFORME O TEMPO DE MATURAÇÃO

Ht (%) Dias de duração do retículo
> 40 1
38 - 40 1.5
20 - 30 2
< 20 2,5

Na segunda correção, devemos encontrar no esfregaço reticulócitos imaturos que amadurecem em 40-70 horas, sob forma de macrócitos policromáticos ("shift-cells"). Se obtivermos um IR (índice reitulocitário) de 2, a resposta medular é considerada adequada; IR de 3 a 6 aparece nas grandes hemorragias; IR < 2 resposta subótima da medula óssea (causa?).

6 - Poiquilocitose: alterações da forma. Em caso de anemia grave, o excesso de plasma causa deformações ao se fazer o esfregaço; refazê-lo reajustando o Ht em 40-50% por retirada do plasma sobrenadante em tubo centrifugado, após as dosagens hematimétricas.

6.1 - Esferócitos: defeito de membrana por alteração genética da espectrina (Esferocitose Hereditária) ou agressão por anticorpos (anemia hemolítica imune, após transfusões).

6.2 Eliptócitos ou Ovalócitos: defeito hereditário da membrana (Eliptocitose Hereditária), ou adquirido (anemias hipocrônicas, megaloblásticas e síndromes mieloproliferativas).

6.3 Estomacitose: geralmente artefato; raramente tem significado clínico (uso de asparaginase, doenças hepáticas, recem nascido, hereditária, Rhnull).

6.4 Drepanócitos: geralmente homozigoto da HbS; confirmar pelo teste de falcização e eletroforese de hemoglobina. Sua contagem carece de valor clínico.

6.5 Equinócitos: são hemácias crenadas, artefato produzido por substâncias alcalinas nas lâminas, afetando principalmente eritrócitos de RN; raramente são diagnósticos na uremia ("burr-cells"), nas hepatopatias, uso de heparina venosa e no hipotiroidismo (ovalo-equinócitos).

6.6 Acantócitos: abetalipoproteinemia, deficiência de tocoferol no RN, hepatopatias ("spurr-cells") e esplenectomizados.

6.7 Leptócitos: eritrócitos delgados e hipocrômicos, podem adquirir forma de sino (codócitos) ou alvos ("target-cells"). Presentes na hemoglobinopatia C, Talassemias e icterícias obstrutivas.

6.8 Dacriócitos: forma de lágrimas ("tear-drop cells"); são produzidos no baço na mielofibrose e anemias megaloblásticas.

6.9 Hemácias Fragmentadas: lesão por colisão em áreas de fluxo violento (válvulas cardíacas, próteses arteriais), fibrina intra-vascular (CIVD), lesão térmica (queimaduras) ou química (drogas oxidantes). Queratócitos são células "mordidas ("bite-cells"), ou em forma de capacete ("helmet-cells"), presentes nas anemias hemolíticas por hemoglobina instável, defeito enzimático, remédios (sulfas, acetominofen). Esquizócitos são células em forma de meia-lua, triangulares ou de esférulas.

7. - Eritroblastos: eritrócitos nucleados. Aparece nas grandes regenerações eritróides (acompanha policromasia), na metaplasia mielóide do figado e baço, na invasão da medula (junto com células jovens granulocíticas, chama-se reação leucoeritroblástica). São contados como leucócitos qualquer que seja o método usado, e acima de 5% convém descontá-los da leucometria pela fórmula:

Leucometria Real = 100 x leucometria obtida / 100 + eritroblastos

8. - Inclusões: coloração supra-vital (azul de cresil brilhante) identifica os CORPOS DE HEINZ (Hb desnaturada nas hemoglobinopatias e defeitos enzimáticos) e CORPOS DE HEMOGLOBINA H ("bola-de-golfe") na a -Talassemia. Na coloração usual poderemos encontrar os CORPOS DE HOWELL-JOLLY (cromossomas aberrantes de mitoses anormais em esplenectomizados ou asplenia); PONTILHADO BASÓFILO, RNA ribosômico encontrado nas Talassemias, nos defeitos enzimáticos e intoxicação pelo chumbo (desaparece em sangue anticoagulado com EDTA); ANÉIS DE CABOT, restos de fuso mitótico raramente vistos nas anemias megaloblásticas e mielodisplasias.

LEUCOGRAMA.

1) Leucometria: na contagem eletrônica o CV < 5%. Em câmara o CV é satisfatório. Usamos Ac.Acético 1% na diluição 1/20 (20 ul de sangue para 0,4 ml); multiplicar a soma dos 4 campos x 20 (diluição) x 10 (profundidade); dividir por 4 (ou multiplicar a soma por 50). Nas grandes leucocitoses convém fazer diluição maior, e menor nas leucopenias. Nas leucemias, as células são frágeis e podem arrebentar subestimando a contagem eletrônica. A margem de erro na câmara é de 15%. Os eritroblastos não são hemolisados e deve-se corrigir a leucometria (ver acima). Cuidado com a evaporação causando falsas leucocitoses.

2) Valores de referência
Leucometria total = média ± 2 s = 3.800 - 10.600 (3 s = 3.200-12.600). s = desvio padrão.

TABELA 3: VALORES DE REFERÊNCIA PARA LEUCÓCITOS

leucócitos % /m l
Bastonetes 1 a 4 40 – 400
Segmentados 40 - 70 1600 – 7000
Eosinófilos 1 - 6 100 – 600
Basófilos 0 - 3 0 – 200
Linfócitos 18 - 48 1000 – 4500
Monócitos 3 - 10 200 – 1000

A raça negra tem valores menores que a branca. As pessoas normais tem valores constantes e individuais. A contagem da manhã é 5 - 10% menor que à tarde. As refeições gordurosas diminuem a contagem , mas às vezes aumentam; o exercício físico aumenta; a melhor hora para a coleta e a mais reprodutível é no fim da manhã. Fumo e obesidade aumentam a contagem (fumo, média de 1000 acima; fumante obeso 2000 acima) assim como café em excesso. O álcool em excesso causa leucopenia. A menstruação não afeta a leucometria.

3) Fórmula Leucocitária: contar de preferência 200 ou mais células, condição obrigatória se houver leucocitose ou número excessivo de um tipo celular de baixa porcentagem (basofilia, plasmocitose). Contando 100 ou menos células, o Valor Relativo (%) é mais elevado. Somente grandes variações numéricas do leucograma são consideradas fidedignas. Leucocitose ou leucopenia reacionais, fazem-se às expensas de um determinado tipo celular. A fórmula relativa normal (2/3 neutrófilos, 1/3 linfócitos, demais células em pequeno número) é muito parecida em todos os adultos. Na infância, até 6-8 anos, há predominância de linfócitos, depois equivalência até a puberdade. Nos 2 primeiros anos de vida as contagens de leucocitos e linfocitos são extremamente variáveis.

4) Alterações qualitativas:

4.1.Granulações tóxicas: estimulados pela inflamação, granulócitos chegam a circulação com granulação primária, rica em enzimas; não são sinais de mau prognóstico.

4.2. Corpos de Döhle: liquefação de retículo endoplasmático; sinal de infecção grave ou sistêmica (pneumonia lombar, erisipela).

4.3. Desvio à esquerda: mielócitos e meta, na infecção, gravidez, corticóides; "reação leucemóide mieloide" (leucocitose acima de 50.000 pode ser causada por hipoxemia, choque prolongado, tumores disseminados) - não confundir com Leucemia Mielocítica Crônica - LMC.

4.4. Hipersegmentação: ou Pleocariócitos. Acima de 5 lóbulos nucleares, significa defeito genético, Insuficiência Renal Crônica, uso de corticóide, anemia megaloblástica, quimioterapia, síndromes mielodisplásicas (SMD) ou mieloproliferativas (SMP).

4.5. Anomalias Nucleares: a anomalia de Pelger-Hüet causa confusão com desvio à esquerda. Aparece 1 caso a cada 3.000/ 5000 pessoas, é autosônico dominante. Emitir laudo esclaredor. Pseudo-Pelger poderá ser encontrado nas SMD e SMP.

4.6. Anomalias Citoplasmáticas: Alder presente no Gargolismo - raríssima. Linfócitos Ativados, Atípicos ou Virócitos: células grandes, de cromatina frouxa e citoplasma amplo e basófilo; podem ser encontrados em pessoas normais principalmente crianças em pequeno número, assim como alguns plasmócitos provenientes de estimulação de linfócitos B. Em grande número sugerem infecção por vírus e Mononucleose Infecciosa.

PLAQUETOGRAMA.
O método de Fônio é muito trabalhoso e está sendo abandonado; contar as plaquetas em relação aos leucócitos e calcular o número por regra de três (ou o número de plaquetas em 10 campos de imersão x 2000). Em caso de plaquetopenia < 50.000 está alterada a retração do coágulo. O valor de referência é de 140.000 - 500.000 /ul.

Plaquetose: aumento do número de plaquetas, encontrado na inflamação, anemias (ferropriva na infância, pós-hemorragica), Artrite Reumatóide, pós-operatório, pós-esplenectomia, Trombocitemia (contagens acima de 1 milhão, plaquetas gigantes e dismórficas).

Plaquetopenia: exige confirmação por nova coleta (verificar se há coágulos no frasco; se o esfregaço foi feito dali). Abaixo de 80.000 /ul o doente apresenta manifestações hemorrágicas. Causas: púrpura auto-imune, grandes hemorragias tratadas com transfusão, viroses na infância, esplenomegalia, CIVD (causas obstétricas, septicemia), leucemias, aplasias, quimio e radioterapia, remédios, LES, AIDS. Plaquetas gigantes significam produção acelerada por consumo excessivo (PTI, Tromboses). Plaquetas dismórficas (bizarras) e restos de megacariócitos são encontrados no Síndrome de Bernard-Soulier, SMD e SMP.

ANEMIAS.

Sinais e sintomas: aguda (sinais de hipovolemia - queda da PA, taquicardia, pulso fino, sede, oligúria) e crônica: volemia normal; se hemoglobina menor que 9 g/dl há irritação, cansaço fácil, angina em coronariopatas e palidez. Se Hb entre 6 - 9g/dl, palidez evidente, taquicardia, sopro anêmico, cansaço aos menores esforços. Se Hb < 6 d/dl: sintomas aos mínimos esforços. Se Hb < 3,5 g/dl : insuficiência cardíaca. O hemograma é fundamental para o diagnóstico da anemia; solicitar sempre o hemograma completo. Anemia é um sinal de doença subjacente. As principais causas são:

1 - Anemia pós-Hemorrágicas: o hemograma é normal, sendo representativo da perda somente 24 a 48 horas; após 7 dias há sinais de regeneração (policromasia, reticulocitose).

2 - Anemias por síntese deficiente da Hemoglobina.

2.1 Ferropriva : a redução da Hb é maior do que os outros parâmetros; o VCM e o HCM estão bastante reduzidos (microcitose e hipocromia). Procurar analisar o hemograma completo: eosinofilia sugere verminose. Causas mais frequentes na infância: dieta carente; em adultos, perda hemorrágica crônica. No tratamento com ferro há reticulocitose entre 8 a 14 dias e daí em diante elevação da Hb em torno de 1% ao dia, até a normalização. Repetir o hemograma em 40-60 dias; a normalização das reservas (ferritina) ocorre após 3 meses.

2.2 Talassemia:. Na forma b a anemia é semelhante à ferropriva: microcitose intensa, eritrocitose apesar da anemia, leptocitos, pontilhado basófilo, policromasia e poiquilocitose podem ocorrer. A Hb varia na faixa de 9 a 11 g/dl, CHCM normal. Na forma a com defeito em 2 gens manifesta-se leve anemia microcítica A doença de Hb H (3 gens) é mais severa, com policromasia, reticulocitose e corpos de Hb H (evidenciados na mesma preparação para Reticulócitos).

2.3 Anemia Sideroblástica: mielodisplasia somente diagnosticada pela coloração do ferro (Perls) na medula óssea, encontrando-se sideroblastos anelados.

2.4 Anemia das doenças crônicas (ADC): acompanha infecções, colagenoses, dermatites, câncer, convalescença de cirurgias e traumas extensos e doenças inflamatórias. Há "sequestro" de ferro no sistema monocito-macrófago (SRE), caindo o ferro sérico, a ferritina está normal ou elevada; é causada pela ação da Interleucina - 1 (IL-1), secretada pelos monócitos-macrófagos e que também causa febre, síntese de proteínas de fase aguda (fibrinogênio, proteína C reativa, complemento), queda da Albumina e da Transferrina. Poderá haver anemia microcítica-hiprocrômica (VCM 75-85; CHCM 28-31) ou normocítica-normocrônica sem alterações morfológicas dos eritrócitos. Nas infecções agudas pode aparecer ADC de 2 a 3 semanas após o início da doença. Um teste simples que ajuda a caracterizar a inflamação é a VHS (velocidade de hemosedimentação), que costuma estar aumentada nas doenças que causam ADC, e reduzida na Talassemia e An. Ferropriva. Os mesmos fatores que aumentam o VHS causam o empilhamento dos eritrócitos ("ROULEAUX") por alterarem a carga elétrica da superfície. A eletroforese das proteínas mostra gama policlonal nos estados inflamatórios. Grandes aumentos de VHS e rouleaux intenso sugere gamopatia monoclonal (mieloma); a eletroforese é típica. As vezes é difícil separar ADC de ferropriva: ambas têm microcitose-hipocromia e baixa do ferro sérico. A capacidade de ligação férrica do soro é alta na ferropriva e baixa na ADC, porém a Ferritina atualmente é o melhor método (< 15 mg/ml = ferropenia; normal ou elevada na ADC; alta na Talassemia e muito alta na sideroblástica; ferritina muito baixa em doença crônica sugere carência concomitante de ferro).

3 - Anemias por produção deficiente de eritropoietina.

3.1 - Insuficiência Renal Crônica (IRC): há certo paralelismo entre o grau de anemia e o valor da creatinina; é normocítica-normocrômica sem alterações morfológicas a não equinocitose ("burr-cells") que é confundida com artefatos; leucograma e plaquetas normais; deve-se analisar a creatinina, os exames anteriores do paciente, contar reticulócitos e levantar os dados clínicos (nictúria, sede, edema, náuseas). A diálise não melhora a anemia, somente o uso de eritropoietina (EPO) e o transplante renal.

3.2 - Hipotireoidismo: os dados clínicos são edema periorbitário e maleolar, queda de cabelos, hipersensibilidade ao frio e mudança da voz; dosar TSH e T4; a anemia é normocítica-normocrômica, Hb 9 - 12 g/dl, presença de ovalo-equinocitos; o tratamento hormonal causa melhora lenta da anemia.

4 - Anemias por síntese defeituosa de nucleoproteínas: reduz-se a síntese do DNA, sem afetar o RNA e outras proteínas - as células em proliferação sofrem crecimento assincrônico núcleo/citoplasma, que vai piorando em cada mitose, até inviabilizá-las, causando eritropoiese ineficaz, leuco plaquetopenia em menor grau, macro ovalocitose e poiquilocitose; aumento do VCM/HCM, CHCM normal, não há policromasia; presença de neutrófilos gigantes e hipersegmentados; sugerir mielograma para confirmação. A maioria dos casos é por carência de Ácido Fólico (dieta carente, alcoolismo, crescimento rápido, gravidez, uso de anticonvulsivantes, secundariamente nas anemias hemolíticas crônicas por consumo excessivo, doenças intestinais, etc.); a intensa anorexia que a acompanha piora ainda mais a anemia. O déficit de vitamina B12 traz sintomas neurológicos concomitantes (parestesias, ataxia) e anemia. A falta de fator intrínseco por gastrite atrófica em pessoas de meia-idade ou idosas, a gastrectomia e má-absorção intestinal alteram a absorção da B12. O teste terapêutico com 10 ug de Vit. B12 IM leva a regeneração hematológica no 8º dia, e a retomada de eritropoiese normal.

5 - Anemia por falta de precursores: pancitopenia (anemia + leucopenia + plaquetopenia). Ex: Anemia Aplástica, invasão da medula óssea por células neoplásicas, granulomas; necrose. Mais raramente poderá haver aplasias seletivas; clinicamente a pancitopenia grave leva a sintomas de anemia + hemorragias de pele e mucosas - petéquias, equimoses, e febre por infecção. Causas de aplasia secundária: remédios (cloranfenicol, pirazolonas, sais de ouro, antitireoideanos), benzeno, radioterapia, hepatite a vírus, parvovírus. Está indicado mielograma ou biópsia de medula óssea conforme o caso. A invasão tumoral da medula e a mielofibrose causam a reação leuco eritroblástica.

6 - Anemias hemolíticas: hemólise é a redução da vida-média do eritrócito (normal 120 dias); hemólise compensada: a medula consegue manter valores hematológicos normais; anemia hemolítica: sobrevida do eritrócito menor que 15-20 dias. Clínica : anemia + icterícia + esplenomegalia; hemoglobinúria na hemólise intra-vascular. Laboratório: o microhematócrito mostra icterícia plasmática (este dado é perdido nos contadores eletrônicos). O Indice Reticulocítico está entre 3 e 6; exame da medula óssea mostrará apenas hiperplasia eritroblástica; a icterícia é por aumento da bilirrubina indireta, que a longo prazo leva à litíase biliar; aumenta o urobilinogênio fecal e urinário; nas hereditárias a expansão medular causa deformidades ósseas; a infecção por parvovirus causa "crises aplásicas"(seletiva da série eritróide); o esgotamento das reservas de Ac. Fólico leva a megaloblastose, ocorrendo piora considerável da anemia. Podemos subdividir as anemias hemolíticas em:

6.1. Defeitos intracorpusculares.

6.1.1 - Esferocitose: defeito autosômico dominante da Espectrina, principal proteína na membrana do eritrócito. Hb entre 7-12 g/dl, Bilirrubina Indireta (BI) de 1 a 4 mg%, Reticulócitos (Rt): 5 a 25 % Na dúvida, corar a lâmina de reticulócitos, observar icterícia no microhematócrito e fazer teste simplificado de resistência osmótica (NaCl 0,5 g/dl - esferócitos hemolisam, discócitos normais não).

6.1.2 - Ovalo ou Eliptocitose: autosômico dominante, não causa anemia, somente hemólise compensada.

6.1.3 - Hemoglobinúria Noturna Paroxistica (HNP): defeito adquirido, levando a susceptibilidade aumentada ao Complemento em pH ácido. Defeito clonal de célula-mãe causando anemia + leucoplaquetopenia. A hemólise é intra vascular levando a hemoglobinúria (atenção no exame de urina: a fita acusa hemoglobina sem a presença de eritrócitos no sedimento). Confirmar pelo Teste de HAM ou teste da sacarose.

6.1.4 . Anemia Falciforme: presença homozigota da Hb S causa Hb de 5-8 g/dl, BI 2 -6 mg%, Rt > 15%, hipocromia e leptocitose; drepanócitos (inconstantes!); sinais regenerativos, eritroblastos, leucocitose, plaquetas normais ou aumentadas; corpos de HOWELL-JOLLY por asplenia. Confirmação: teste de falcização, eletroforese de hemoglobina. Clínica: infecções por germes encapsulados e Salmonela devido à asplenia (autoesplenectomia) caudada por micro-infartos repetidos; dores ósseas repetidas por microinfartos ósseos. Os heterozigotos tem 50% de Hb A e S (atenção: anemia microcítica-hipocrômica nestes pacientes é ferropriva). É frequente a associação S/Talassemia.

6.1.5. Outras hemoglobinopatias: Hb C - heterozigotos (AC) são assintomáticos; homozigotos (CC) anemia moderada 9-12 g/dl, leptocitose, hipocromia, policromasia 1+ a 2+; duplos heterozigotos: SC. Hb D - na eletroforese em pH alcalino migra com a S; anemia, hipocromia, esferocitose, policromasia (atenção: clínica leve, eletroforese de Hb S e falcização negativa sugere Hb D). Doença por Hb H - alfa-Talassemia de 3 gens: anemia, hipocromia, policromasia, corpos de HbH nos reticulócitos. Hb instáveis - anemia hemolítica crônica, crises hemolíticas após infecção ou uso de drogas oxidantes; diagnóstico pelo teste de desnaturação pelo calor e teste de isopropanol. Corpos de Heinz podem estar presentes nos esplenectomizados.

6.1.6. Enzimopatias: o eritrócito retira a energia necessária à manutenção do gradiente iônico em relação ao plasma da glicólise anaeróbica e a proteção contra agentes oxidantes da via das pentoses pela síntese do glutatião reduzido; um defeito enzimático no primeiro caso leva a esgotamento energético prematuro e hemólise, e no segundo caso hemólise sob ação de agentes oxidantes. Deficiência de PIRUVATOQUINASE (PK): pacientes provavelmente são heterozigotos duplos - anemia hemolítica variável, congênita, não-esferocítica. Deficiência de PIRIMIDINO-5'-NUCLEOTIDASE: característico é o pontilhado basófilo fino (acúmulo de ribosomos por defeito do metabolismo do RNA); a intoxicação pelo chumbo (saturnismo) inibe esta enzima, mas causa p.basófilo grosseiro. Deficiência de GLICOSE -6-FOSFATO-DESIDROGENASE (G6PD): ligado ao sexo, presentes nos homens e rara nas mulheres homozigotas, não aparece nas heterozigotas; as crises hemolíticas mostram anemia hemolítica súbita, hemoglobinúria, história de uso de agentes oxidantes (naftalina, anilina, anti-maláricos, sulfas, acetominofen, AAS ou vitamina K), reticulocitose, corpos de HEINZ, presença de "bitecells".

6.2. Defeitos extracorpusculares

6.2.1. Malária. Clínica: febre, calafrios, prostração extrema. Anemia hemolítica (pode haver hemoglobinúria), policromasia, aumento da BI; neutrófilos normais, ou neutropenia com desvio à esquerda, monocitose e eosinofilia na convalescença. P.Falciparum é grande maioria dos casos que vêm à nossa região: eu prefiro a coloração de MGG em esfregaços. Procurar por esquizontes anelados de anel pequeno; achado de mais de um por eritrócito é característico do Falciparum, assim como os gametócitos "em Banana". Acho importante dar rapidamente um diagnóstico de Falciparum, devido à gravidade dos casos (insufuciência renal, malária cerebral).

6.2.2. Imunológicas. Podem ser por Crioaglutininas, anticorpos IgM, agindo na faixa de 5 a 25ºC - nota-se no laboratório em dias frios, e no sangue conservado em geladeira. A aglutinação é vista ao microscópio, é diferente do rouleaux; pode ocorrer em pessoas idosas sadias, em portadores de colagenoses, neoplasias, infecções crônicas, pneumonias por mycoplasma (paciente jovem com febre e tosse) e Mononucleose Infecciosa.
Na anemia hemolítica auto-imune Coombs-positiva, os anticorpos IgG ligam-se aos eritrócitos e causam sequestração no Sistema Monócito-Macrófago; há macrocitose com elevação de VCM, esferócitos, aumento de BI, esplenomegalia, Coombs Direto positivo. Causas: remédios (alfametildopa), Linfoma não-Hodgkin (LNH), Lupus Eritematoso Sistêmico (LES), AIDS e idiopática.

6.2.3. Fragmentação eritrocitária. Próteses valvulares: as hemáceas fragmentadas de 1 a 10% - em casos muito graves podem estar ausentes (fragmentação total), com hemoglobinúria. Púrpura trombocitopênica trombótica (PTT): mulheres jovens no último trimestre ou após a gravidez; há agregação plaquetária na microcirculação causando plaquetopenia e fragmentação dos eritrócitos. Sintomas neurológicos, febre e insuficiência renal; causa ignorada. Síndrome hemolítico-urêmico: igual à anterior, mas em crianças até 2 anos de idade - insuf. renal e anemia por fragmentação. Estas duas últimas causas, assim como as causadas por carcinomas disseminados e vasculite por hipertensão maligna, são chamadas coletivamente de "anemias hemolíticas microangiopáticas".

7. Anemias mistas: alcoolismo (megaloblástica por déficit de Ac. fólico - não ocorre em bebedores de cerveja ! - ferropriva por perda de sangue em gastrite). A macrocitose (VCM eletrônico) é um marcador importante e duradouro; a g GT é mais sensível; grandes doses de álcool causam vacuolização dos eritroblastos e sideroblastose na medula óssea; há neutro-plaquetopenia facilitando infecções (broncopneumonia) e sangramentos. Hepatopatias: a obstrução biliar e lesão do hepatócito provocam excesso de colesterol no plasma e na membrana dos eritrócitos, originando leptocitos ou codócitos, alteração reversível que não provoca anemia hemolítica: na fase terminal com encefalopatia, ascite e esplenomegalia há anemia hemolítica por presença de Acantocitos ("spurr-cells") e esferocitose; na esteatose hepática com hipertrigliceridemia e hipertensão portal aguda pode aparecer anemia hemolítica (Síndrome de ZIEVE); pode haver anemia ferropriva por sangramento de varizes esofagianas; cirrose com esplenomegalia leva a aumento de gamaglobulinas causando rouleaux (na eletroforese aparece platô beta/gama), leptocitose, icterícia, hiperesplenismo (pancitopenia e anemia por diluição).

7.3. Gravidez: ocorre hemodiluição a partir do 3º mês até o 7º mês e aumento da massa eritrocitária (manifestando-se por policromasia), mas de maneira desproporcional favorável à primeira, causando redução do Ht/Hb. O limite inferior do valor normal da hemoglobina da gestante é portanto 11 g/dl. O balanço de ferro é negativo e a ferropenia é comum, assim como anemia na gravidez; raramente poderá haver componente megaloblástico por déficit de folatos em gestantes pobres ou com anorexia acentuada.

ERITROCITOSES: Aumento das cifras do eritrograma por aumento da massa eritrocítica, ou diminuição do volume plasmático (pseudoeritrocitose). Dados clínicos: desidratação, uso de diuréticos. Deve-se repetir os testes. Eritrocitoses acentuadas (Ht > 60% homens e > 55% mulheres) costumam ser reais - as moderadas exigem diagnóstico diferencial, a saber : 1) Moradores de grandes altitudes. 2) Fumo > 20 cigarros/dia. 3) Obesidade e estresse (pseudoeritrocitose): Síndrome de PICKWICK. 4) Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC): a eritrocitose é benéfica por permitir maior transporte de oxigênio, porem com Ht > 55% a viscosidade sanguínea aumenta e é prejudicial. 5) Síndrome da Apnéia Noturna. 6) Tumores secretantes de eritropoietina: o mais comun é o hipernefroma (rim) - inicio com eritrocitose + emagrecimento, depois aparece tumor no abdômen. 7) Cardiopatias congênitas na infância, Ht > 70% com sinais de pletora, cianose, hipocratismo digital. 8) Hemoglobinopatias de alta afinidade pelo 02, herança familiar, tipo dominante; a eletroforese de hemoglobina poderá levar ao diagnóstico. A presença de eritrocitose + cianose sugere a presença de metahemoglobina (Hb M), molécula defeituosa causando oxidação do ferro; herança dominante; diagnóstico pela eletroforese de Hb. Déficit de Metahemoglobina-redutase: recessivo, melhora com uso de Ac. Ascórbico. Em ambos os casos a cor do sangue é marrom-achocolatado. 9) Policitemia Vera: doença mieloproliferativa crônica, clonal, acometendo também a granulo-plaquetopoiese. Idade 60-65 anos, esplenomegalia, tromboses cerebrais e de veias supra-hepáticas, úlcera péptica hemorrágica. Hemograma com eritrocitose, leucocitose e plaquetose; microcitose e hipocromia na evolução, devido ao tratamento com sangrias; eritroblastos, mielócitos, basofilia, plaquetas anormais.

NEUTROFILIA: aumento acima do limite superior do valor de referência (VR), vai de 1.600 - 7.000/m l. São células maduras, pós-mitóticas, vida-média 10 a 11 horas, por diapedese vão a tecidos e cavidades do organismo. A reserva medular é de 10 a 15 vezes circulante, sendo a proporção Bt/Seg = 3/2. Distribuem-se no sangue periférico em dois componentes: marginal e circulante (50% cada um). A leucometria avalia o circulante. O marginal é mobilizado por descargas adrenérgicas (exercício leve: neutrofilia fugaz; prolongado: neutrofilia duradoura); o repouso estimula a marginação. O choro e pânico das crianças ao colher sangue tem o mesmo efeito do exercício. Os corticóides inibem a marginação e levam a neutrofilia; os anestésicos estimulam a marginação (reduzem a contagem). Estímulos patológicos: inflamação, trauma ou necrose libera interleucina-1 (IL-1) que mobiliza a reserva medular de bastonetes, causando "desvio à esquerda"; se o estímulo for duradouro haverá hiperregeneração com presença de células mais jovens. Exaustão poderá ocorrer em idosos ou se a reserva estiver comprometida por rádio ou quimioterapia. Nas intoxicações exógenas (picadas de insetos, ofídios) e no Infarto Agudo do Miocárdio, a neutrofilia é proporcional à gravidade do quadro clínico. Intoxicações endógenas (acidose diabética, hipoxemia prolongada, choque): neutrofilia persistente evoluindo para "reação leucemóide". Doenças infecciosas: varia com a capacidade de liberação da medula óssea, com a extensão do processo infeccioso, com o agente etiológico, com a faixa etária e as condições prévias do paciente. A neutrofilia pode faltar em RN, lactentes desnutridos, idosos, debilitados, pacientes terminais, alcooólatras, receptores de radio e quimioterapia. Abdômen agudo cirúrgico: neutrofilia/desvio antecedendo os sintomas clínicos, eosino-linfopenia, leucometria 12.000 - 18.000; a VHS acelera-se tardiamente. A diarréia infecciosa causa desvio com neutropenia ou sem neutrofilia. Os hemogramas são inexpressivos na fase inicial de apendicite e da infecção urinária; na cólica renal há neutrofilia sem desvio, o qual poderá no entanto aparecer sendo a cólica muito prolongada. Pneumonias: pneumococo - neutrofilia/desvio acentuados e precoces; granulações tóxicas e corpos de DÖHLE; em pacientes sem baço poderão ser vistos germes em fagosomas de neutrófilos; a exaustão é rara, porém fatal ocorrendo em alcoólatras, idosos e debilitados. Hemófilos: em crianças - neutrofilia, desvio + anemia de doença crônica (ADC). Estáfilo: grande neutrofilia com desvio considerável. Mycoplasma: leucocitose até 12.000, linfócitos atípicos, crioaglutinação. Meningites: grande neutrofilia/desvio/eosino-linfopenia - o hemófilo causa ADC precoce em crianças. Endocardites: monocitose presente numa minoria dos casos - aumento da VHS e ADC. Faringo-amigdalites: estrepto - 10.000 - 15.000 /m l; difteria > 15.000/m l; escarlatina - eosinofilia e "rash"cutâneo com neutrofilia; Mononucleose - ver linfocitose. Infecções intestinais: febre tifóide e para tifóide - neutropenia com desvio, eosinopenia, granulações tóxicas e ADC; a presença de neutrofilia sugere perfuração intestinal. A diarréia comum não altera o hemograma. Disenteria por Shiguela - neutrofilia e grande desvio. Coli, Campilobacter, Yersinia, Salmonela - neutropenia/desvio. Adenite mesentérica (Yersínia) - neutrofilia/desvio 12.000 - 14.000/m l, os eosinófilos estão presentes e a melhora da criança é rápida. Doenças Comuns na Infância: Sarampo e Varicela - neutropenia e depois neutrofilia; Eritema Infeccioso (parvovirus) - hemograma normal, aplasia eritrocitária não chega a ser notada. Viroses respiratórias altas: Resfriado Comun - leve desvio; Gripe - neutropenia/desvio/eosinopenia, sem gran. tóxicas - no 4º ou 5º dias, neutrofilia: pneumonia - neutrofilia/desvio.

NEUTROPENIAS: < 1.600/m l em brancos, < 1.200/m l em negros. Confirmar com hemogramas repetidos, colhidos no fim da manhã. Problemas hematológicos geralmente levam a neutropenia < 1.000/m l. 1) Síndrome da "LEUCOPENIA-ASTENIA"; mulheres astênicas, com irritabilidade emocional e depressão. 2) Neutropenia Crônica Benigna: autosômica dominante, 100 - 1.000/m l. A medula óssea mostra poucos segmentados, maioria de bastonetes com discretas alterações morfológicas (neutropoiese ineficaz) - excessiva simetria dos lóbulos nucleares. A medula responde aos estímulos infecciosos. 3) Neutropenia Cíclica: a cada 3 a 4 semanas, com infecções orais/ faríngeas nos períodos neutropênicos. 4) Outras causas: aplasia, invasão medular, hiperesplenismo. 5) Agranulocitose: diminuição grave dos neutrófilos. Pode ser idiopática ou iatrogênica (drogas), por exemplo quimioterápicos, antitireoidianos, benzeno, etc. A clínica é de febre + úlceras orofaringe.
LINFOCITOSE: o valor relativo não fornece informações. Nos dois primeiros anos de vida é difícil interpretar o leucograma. Do 3º ao 8º anos, o limite superior absoluto é de 7.000 - 8.000 /m l; após 15-16 anos, valores do adulto (1.000 - 4.500/m l). "Leucograma Infantil ", ou seja, equivalência percentual entre linfócitos e neutrófilos é comum em mulheres, na raça negra e pós-esplenectomia. Causas patológicas: 1) Coqueluche: 80% de linfócitos sem atipias - 15.000 a 35.000/m l. O hemograma é muito útil ao diagnóstico! 2) Linfocitose Infecciosa: 50.000 - 90.000/m l, benigna e fugaz. 3) Síndrome Mononucleósica: o vírus de Epstein-Barr é o mais comum (jovem com faringite, febre e aumento da TGP) causando nos primeiros dias neutropenia/desvio e depois linfocitose e atipia 4+. Exatamente o mesmo aspecto pode ser encontrado nos seguintes agentes: Citomegalovírus: atipia 2+; Toxoplasmose: 1+; Hepatite a vírus: atipia 1+, plasmócitos 1 a 3+; Rubéola: atipia 1+, plasmócitos 4+, neutropenia e desvio; HIV: linfocitose 2+, atipia 2+, plasmocitose 1+ (a sorologia positiva-se após 40 dias). Em adultos, encontrando linfocitose > 4.500/m l sem atipias, convém examinar nova lâmina, refazendo a fórmula leucocitária com 200 - 300 células, procurar escrupulosamente atipias. Se confirmada, paciente menor de 40 anos tem provavelmente virose, com normalização em 2 a 3 semanas; havendo plasmocitose também, a hipótese é sífilis. Pacientes acima de 40 anos, pensar em Leucemia Linfática Crônica (LLC).

LINFOPENIA: < 1.000/m l. Estresse de qualquer origem ativa o eixo hipófise/adrenal (eosinopenia também ocorre). Causas: radioterapia extensa, quimioterapia, doença de Hodgkin tipo "depleção linfocitária", LES (tardiamente), AIDS (tardiamente, com inversão CD4/CD8), idosos e uso de corticóide.

EOSINOFILIA: > 700/m l. 1) Parasitoses: constantes e proporcional à infestação, por ancilostoma, estrongilóides, áscaris, filária, esquistosoma e toxocara, podendo chegar até 30.000 ou 70.000/m l. 2) Doenças alérgicas e da pele: asma (800 - 2.000/m l), rinite alérgica, eczema, urticária, edema alérgico, remédios, etc. 3) Radioterapia: > 2.000/m l. 4) Colagenoses: poliarterite nodosa, dermatomiosite. 5) Sind. LÖEFFLER: eosinofilia + infiltrados pulmonares intersticiais. 6) Leucemia Mielóide Crônica (LMC). 7) Leucemia Linfóide Aguda (LLA), com eosinofilia. 8) Leucemia Eosinofílica: adultos 30-60 anos, com esplenomegalia, tosse e infiltrados pulmonares intersticiais; 2.000 a 50.000/m l, hipogranulados, presença de mielócitos, anemia e plaquetopenia.

EOSINOPENIA: ativação do eixo hipófise/adrenal - estresse: abdomen agudo, doenças infecciosas, uso de corticóide ou ACTH (Teste de Thorn). Não encontrando eosinófilos, estender a contagem por mais 100 leucócitos.

BASOFILIA: encontrando acima de 3% estender a fórmula leucocitária até 200-300 células. Idosos podem ter 2 a 4%. Encontrado no uso de heparina EV e na LMC (> 4.000/m l causam prurido cutâneo) além de outras síndromes mieloproliferativas.

MONOCITOSE: > 1.000 /m l. Acompanha a neutrofilia em processos inflamatórios, porém é mais tardia e persiste na convalescença. Doenças: Endocardite Bacteriana Sub Aguda (EBSA), Tuberculose, Brucelose, Malária, Leishmaniose, pós-aplasia, Leucemias Monocíticas agudas e crônicas, e Leucemia Mielomonocítica crônica (LMMoC), nas granulopenias crônica e cíclica.

MONOCITOPENIA: < 200/m l. Na Anemia Aplástica, Agranulocitose e Tricoleucemia. No controle da quimioterapia a "contagem de fagócitos"(neutrófilos + monócitos) está sendo utilizada como indicador para redução ou adiantamento das doses.

HEMOPATIAS MALIGNAS
Quando a doença inicia-se na medula óssea e invade o sangue periférico, denominamos Leucemia e, quando inicia-se de um tumor sólido glanglionar ou extra-ganglionar, denominamos Linfoma.

1) Leucemia Mieloide Crônica (LMC): idade 50-60 anos, astenia, emagrecimento, anorexia, esplenomegalia. As células conservam a capacidade maturativa e têm predominância proliferativa invadindo o sangue, baço, fígado, etc., existindo a proliferação de subclones com terminação blástica fatal. Há leucocitose com mielócitos, basofilia, eritroblastos, poucos mieloblastos e promielócitos, plaquetas normais ou aumentadas, anemia leve. A confirmação diagnóstica é por citogenética (pesquisa do cromossoma Filadélfia ou Ph1 na medula óssea) ou citoquímica (coloração da fosfatase alcalina nos neutrófilos).

2) Mielofibrose com Metaplasia Mielóide: pacientes de meia idade, ou idosos. Os megacariócitos promovem fibrose progressiva da medula óssea, com metaplasia no baço e fígado. Hemograma leucoeritroblástico, poiquilocitose e dacriócitos. Diagnóstico pela biópsia de medula óssea (BMO).

3) Síndromes Mielodisplásicos: pode ocorrer em jovens, de meia-idade e idosos. Há hemopoiese com anemia refratária, que pode evoluir para Leucemia Aguda. Anemia macrocítica sem regeneração, plaquetopenia com elementos dismórficos, eritrócitos alterados (hipersegmentação, agranulares, pseudo-Pelger), com neutrofilia ou neutropenia. A medula óssea tem aspecto megaloblástico, com sideroblastos anelados, aumento de mieloblastos e promielócitos com bastão de AUER (inclusões citoplasmáticas peroxidase-positivas) , megacariocitopenia, monoblastos, e micromegacariócitos.

4) Leucemia Linfática Crônica (LLC): após 60 anos. Proliferação clonal de linfócitos B, invadindo a medula óssea, sangue, baço e gânglios. Há linfocitose, formas grandes com nucléolos (pró-linfócitos, geralmente em pacientes de baço grande). Sendo de linfócitos T, aparecem lesões de pele. A tricoleucemia é uma variante com linfócitos B apresentando vilosidades citoplasmáticas. Doença rara, confirmação pela biópsia de medula óssea (BMO).


5) Leucemias Agudas: presença de Blastos que invadem a medúla óssea e o sangue. 85% das crianças e 20% dos adultos têm a forma Linfoblástica; 15 % das crianças e 80% dos adultos, a Mieloblástica. Pensar em L.A. perante um quadro de anemia de instalação rápida, sem perda de sangue; púrpura recente; febre e/ou sinais de infecção; dor óssea ou articular; adenomegalias, esplenomegalia; hipertrofia gengival. O Hemograma revela pancitopenia, presença de células atípicas (blastos), leucocitose com blastos numerosos, plaquetopenia, ou então alta leucocitose e blastose.

6) Linfoma não-Hodgkin (LNH) leucemizado: podem aparecer células de núcleo clivado (B), linfoblastos (Linfoma T do mediastino, no sexo masculino idade 8-16 anos), linfócitos com núcleo em trevo (Leucemia/Linfoma de células T, causados pelo HTLV-1), células de BURKITT (células B vacuolizadas, tumor de abdômen, alta incidência em AIDS), células de SÈZARY (núcleo cerebriforme, celulas T e Linfoma cutâneo) e células linfomatosas grandes (L.histiocítico).

7) Mieloma e Macroglobulinemia de WALDENSTRÖM: o primeiro incide em idosos, é uma neoplasia disseminada de plasmócitos; 90% têm proteína com pico monoclonal na eletroforese, causando rouleaux, um matiz azul-acinzentado na lâmina e VHS muito elevada. Anemia normo-normo ou levemente micro, com neutro-plaquetopenia. O mielograma mostra plasmocitose. A macroglobulinemia, de proteina IgM, aparece em jovens de 40 anos com síndrome de hiperviscosidade.

TABELA 4: O ERITROGRAMA DO RECÉM NASCIDO

  1 dia 3 dias 3 meses
eritrócitos 5,7 5,5 4,5 ± 0,4
hemoglobina 18,8 17,5 11,5 ± 1,2
hematócrito 59 56 37 ± 4
VCM 103 102 82

Nas primeiras horas de vida há diminuição do volume plasmático e introdução de ± 100 ml de sangue da placenta (o clampeamento do cordão, se precoce, causa perda de 3 g/dl de Hb, e se tardio causa pletora). Se colhermos sangue capilar, seus valores serão mais elevados, devido à sua hemoconcentração. A morfologia eritrocitária é alterada: equinócitos, estomatócitos, eritrócitos fragmentados e esferócitos. Após o 3º dia há queda de Hb por diminuição da EPO, devido à respiração pulmonar e menor sobrevida eritrocitária. No 3º mês, nos RN a termo, e no 1º a 2º mês nos prematuros, o aumento da volemia e a pobreza de ferro na dieta láctea levam à carência latente de ferro ou anemia ferropriva, VCM 70-85 fl, Hb 10,5 - 12g/dl; o ferro oral ou injetável eleva a Hb, mas o VCM somente se normaliza mais tarde aos 4 -8 anos de idade. A coleta excessiva de exames causa anemia iatrogênica. Anemia de prematuridade: entre 4 a 12 semanas; os sintomas clínicos são mais importantes, pois a dosagem de hemoglobina não reflete o grau de anemia. Anemia pós-hemorrágica: perda por manobras obstétricas. Hb/Ht podem estar normais, com sinais de hipovolemia e clínica grave; posteriormente podem baixar, com policromasia. Incompatibilidade materno-fetal: ABO raramente causa hemólise significativa (IgM). Rh (D) IgG atravessa a placenta e causa anemia hemolítica grave com policromasia, eritroblastos, esferócitos, aumento da BI. Anemias hereditárias: Esferocitose (anemia e icterícia moderadas, história familiar - os esferócitos são difíceis de identificar); Anemia Falciforme e Talassemia (aparecem somente nos próximos meses, devido à presença de Hb Fetal); Déficit G6PD (uso de anilina ou vitamina K). Infecções: Sífilis e TORCH (Toxo, rubéola, citomegalo, herpes) - anemia hemolítica com plaquetopenia. Leucemias Congênitas: muito raras. Aplasias: nos primeiros meses. Aplasia pura de Células Vermelhas (BLACKFAN-DIAMOND), doença congênita com anomalias do esqueleto. FANCONI apresenta também anomalias renais. Osteopetrose apresenta reação leuco eritroblástica.
LEUCOGRAMA: valores relativos inviáveis pela ampla variação; infecções provocam desvio à esquerda (cuidado com a má identificação de bastonetes).
PLAQUETAS: erro na contagem é muito comum. Plaquetopenia nas septicemias, sindrome TORCH e PTI materna.
CONTROLE DE QUALIDADE EM HEMATOLOGIA

A) Coleta: ficha clínica, idade, sexo, fumo, hora do dia, posição do corpo, estase venosa, líquidos EV e diuréticos.

B) Métodos, instrumentos e reagentes: média e desvio-padrão.

C) Procedimentos: controle de sangue total comercial e doméstico (sangue EDTA-anticoagulado 24 horas a 4 ºC).

D) Distribuição de dados.

1 - Amostras individuais.

1.1 - Média e desvio-padrão (2 dp = 95% dos normais). Os dados fora desta faixa deverão ser investigados pelo exame do esfregaço, outros testes e dados clínicos.

TABELA 5: VALORES RECONHECIDAMENTE ANORMAIS NO HEMOGRAMA

sexo Hb GV Ht Leucócitos CHCM HCM VCM Reticulócitos
M < 13 < 4 < 40 < 3.000 > 36 > 32 < 75 > 3
M >19 > 7 > 60 > 15.000 < 30 < 26 > 105  
F <11 < 3 < 35          
F >16 > 6 > 50          

1.2. Regras de Rutzky.
1a. GV X 3 = Hb ou GV = Hb/3 ou Hb/GV = 3. Havendo esta correlação, a anemia será normocítica; se não, procurar hipocromia ou macrocitose.
2a. Hb X 3 = Ht ou Hb = Ht/3 ou Hb/Ht = 1/3. Havendo esta correlação, a suspeita será Talassemia; se não, anemia ferropriva.
3a. GV X 9 = Ht ou GV = Ht/GV = 9. Havendo esta correlação a anemia será normocítica; se não, macro ou microcítica.
1.3 . Revisão do esfregaço. Em caso de moderada a intensa policromasia, hipocromia, microcitose, esferocitose, macrocitose; células imaturas da série branca e vermelha; células atípicas; eosinofilia > 7%; monocitose > 8%; plasmocitose. Poderemos fazer um estimativa da leucometria e do número de plaquetas pelo esfregaço.

TABELA 6: ESTIMATIVA DA LEUCOMETRIA E DA CONTAGEM DE PLAQUETAS PELO ESFREGAÇO SANGUÍNEO

LEUCOMETRIA   PLAQUETAS  
nº cels/campo nº estimado nº /campo nº estimado
2-4 4.000 - 7.000 < 1 plaquetopenia
4 - 6 7.000 - 10.000 várias, com agregados número normal
6 - 10 10.000 - 13.000 > 25 plaquetose
10 - 20 13.000 - 18.000    

OBS: células leucêmicas são frágeis e podem desintegrar-se no contador eletrônico; o número de plaquetas contadas em 10 campos de imersão X 2.000 = contagem de plaquetas/m l.

2. Amostras pareadas em datas diferentes - a diferença não deve exceder 50% (leucometria), 25% (GV), 0,5 g/dl (hemoglobina), 3% (hematócrito), 2 unidades (VCM, HCM, CHCM).

3 . Dados cumulativos (arquivo). Não serve para exames de primeira vez. Os novos são acrescentados à ficha clínico/laboratorial, comparando-se com o exame anterior. Pode-se repetir em nova amostra ou analisar dados clínicos. Controla erros de anotação, do equipamento e do paciente.

4 . Médias. Nos analisadores automáticos, em grupos de 20-30 (médias do VCM/HCM/CHCM e a chamada média "móvel").

LEUCOGRAMA NOS PROCESSOS INFECCIOSOS MAIS COMUNS

DOENÇA ALTERAÇÃO COMENTÁRIOS
pneumococo neutrofilia,desvio,gran. tóxicas, Dö hle, fagosomas febre, dor toráxica, escarros hemoptóicos; exaustão hematológica
hemófilo neutrofilia, desvio, ADC crianças
estafilo neutrofilia + desvio 4+  
Mycoplasma leucocitose 12.000, atipias linfocitárias crioaglutinação
meningites neutrofilia, desvio, linfo-eosinopenia 4+ ADC em crianças (hemófilo)
endocardites monocitose (rara) ADC e aumento VHS
faringoamigdalites estrepto: leucocitose 10-15.000; difteria: > 15.000; escarlatina: neutrofilia, eosinofilia escarlatina: "rash"cutâneo
infecções intestinais febre tifóide e paratifóide: neutropenia + desvio, eosinopenia, gran. tóxicas; Shigela: neutrofilia e grande desvio; Coli, Campilobacter, Yersínia: neutropenia e desvio (exceto adenite mesentérica: neutrofilia 12-14.000, desvio febre tifóide e parat.: ADC; diarréia comum não altera o hemograma
sarampo e varicela neutropenia Þ neutrofilia  
parvovírus normal ADC
resfriado comun leve desvio sem febre
gripe neutropenia, desvio, eosinopenia, sem gran. tóxocas Þ neutrofilia febril
astenia neutropenia > 1.000 irritabilidade emocional, depressão
neutropenia crônica benigna neutropenia 100-1.000 MO: poucos segmentados, simetria lobos nucleares, leucopoiese ineficaz
neutropenia cíclica   infecções frequentes orais, faríngeas nos períodos neutropênicos
agranulocitose desaparecem os granulócitos febre + úlceras de orofaringe (sem pus)
coqueluche leucocitose 15-35.000, 80% linfócitos sem atipias  
linfocitose infecciosa 50-90.000 benigna e fugaz
síndrome mononucleósica neutropenia, desvio Þ linfocitose e atipias: EBV 4+; CMV 2+; Toxo 1+; hepatite viral 1+ com plasmocitose 1-3+; rubéola 1+ com plasmocitose 4+; HIV 2+ com plasmocitose 1+ jovem, faringite, febre, aumento da TGP
sífilis linfocitose > 4.500, atipias, plasmocitose  
LLC linfocitose > 4.500 > 40 anos; < 40 anos provável virose
parasitoses eosinofilia 30-70.000 ancilostoma, estrongilóides, áscaris, filária, esquistosoma, toxocara
alergia e dermatopatias eosinofilia 800-2.000  
radioterapia eosinofilia > 2.000  
     
     

RESUMO DAS ALTERAÇÕES HEMATOLÓGICAS NAS HEMOPATIAS MALIGNAS

DOENÇA IDADE (anos) CLÍNICA HEMOGRAMA OBS.
LMC 50-60 astenia, emagrecimento, esplenomegalia leucocitose com mielócitos, basofilia, poucos blastos, plaquetas normais ou aumentadas, anemia leve
citoquímica: FAL; citogenética: Ph1
MF meia idade e idosos anemia, esplenomegalia anemia leucoeritroblástica, dacriocitose BMO
SMD jovens, meia idade, idosos anemia com ou sem esplenomegalia; assintomáticos anemia macrocítica, plaquetopenia, plaquetas dismórficas, pseudo-Pelger, hipersegmentação, neutrofila, neutropenia MO megaloblás-tica, sideroblas-tos anelados, aumento de mieloblas-tos e promielóci-tos com Auer, micromegacariócitos, monocitose
LLC > 60 anemia, adenopatias, esplenomega linfocitose, pró-linfócitos BMO
LLA, LMA jovens e idosos anemia, púrpura e febre, dor óssea, esplenomega, adenopatias, hipertrofia gengival pancitopenia, blastos, leucopenia ou leucocitose, plaquetopenia  
LNH qualquer idade T do mediastino: 8-16 anos, masculino; B, Burkitt (abdominal - AIDS, Sèzary, histiocítico T: linfoblastos; B: núcleo clivado; Burkitt: vacuolizados; em trevo (HTLV1); cerebriforme (Sèzary)  
MM e MW idosos (MM) e jovens 40 anos (MW) MM: dores ósseas, anemia;
MW: hiperviscosidade
rouleaux, anemia, neutro-plaquetopenia VHS aumentado, pico monoclonal na eletroforese de proteínas, MO: plasmocitose