| | | | | |
Resumo Geral


Propedêutica Neurológica e Neurocirúrgica









Outros Sinais

  • Asteríxis: indica encefalopatia metabólica. Pede-se para o paciente ficar com a mão no sentido de “parar o trânsito”... Caso haja queda = Asteríxis.



Sinal de Trousseau

  • Ocorre em situações de hipocalcemia.
  • Insufla-se o manguito: haverá contração tetânica do MM.





Sinal de Chvostek

  • Presente em hipocalcemias.
  • Estimulação do nervo facial resulta em espasmo da musculatura facial.



Outros Sinais

  • Escápula Alada: lesões do nervo torácico longo.







Classificação de Coma de Fischgold e Mathis

  • Grau 1 (coma leve): paciente obedece ordens; perguntas produzem respostas verbais; há verbalização aos estímulos dolorosos.
  • Grau 2 (coma moderado): dor produz movimentos voluntários; estímulos produzem movimentos faciais, piscamento ou abertura palpebral.
  • Grau 3 (coma profundo): dor produz reflexos motores elementares; dor não produz reações.
  • Grau 4 (coma dèpassé ou morte cerebral): dor não produz reações; ausência de funções vegetativas voluntárias.

Classificação de Coma de Fisher

  • Sonolência: O paciente mantém-se adormecido. Se estimulado, ele mantém diálogo e atividade motora apropriada, voltando a adormecer quando o estímulo cessa.
  • Torpor: O paciente mantém-se adormecido. Após estímulos fortes, ele responde monossilabicamente e apresenta atividade motora simples, visando livrar-se do examinador.
  • Coma leve: O paciente não mantém contato vertical. Se estimulado dolorosamente, sua atividade motora restringe-se a defender o local afetado.
  • Coma moderado: Situa-se entre o coma leve e o profundo.
  • Coma profundo: O paciente não mantém contato verbal. A atividade motora, após estímulos intensos, constitui-se apenas de movimentos reflexos, como, por exemplo, aumento de atividade respiratória e postura em decorticação ou descerebração.
  • Coma irreversível: Também designada morte cerebral ou coma dépassé.

Classificação de Coma pelo Glasgow











Resumindo...


Coluna Vertebral







Coluna Vertebral – Escala de Frankel

A - Perda completa das funções motora e sensitiva
B - Incompleta – apenas sensibilidade preservada
C - Incompleta – motricidade presente (não funcional)
D - Incompleta – motricidade presente (funcional)
E - Retorno completo das funções motora e sensitiva. Pode haver anormalidades de reflexos






Coluna Vertebral e Medula



Medula e Tratos



Síndromes Medulares

  • Síndrome do Epícone Medular (L5-S1):
    • Déficit sensitivomotor ântero-lateral da perna.
    • Abolição do reflexo aquileu.
    • Não costuma comprometer esfíncteres.
  • Síndrome do Cone Medular (S2-S5):
    • Corresponde a L1-L2 vertebral.
    • Inervação dos M. do Períneo, do ânus, genitais.
    • Centro de inervação da bexiga e reto.
    • Anestesia em sela e alteração de esfíncteres.
  • Síndrome da Cauda Eqüína (L3-S5):
    • Síndrome radicular caracterizada por paraplegia flácida.
    • Arreflexia aquileu e patelar.
    • Anestesia em sela e alteração de esfíncteres.
  • Síndrome Cordonal Posterior:
    • Abolição da sensibilidade profunda (vibratória/postural).
    • Ataxia sensitiva.
    • Lues.
  • Síndrome de Hemissecção Medular (Brown-Séquard):
    • Sinais ipsilaterais e contralaterais.
    • Ipsilateral à lesão: paresia ou paralisia piramidal, abolição da sensibilidade profunda (vibratória e postural) e ataxia.
    • Contralateral: anestesia térmica e dolorosa.
  • Secção Medular Completa:
    • Choque medular: paraplegia flácida – espástica.
    • Paralisia flácida com arreflexia e hipotonia muscular seguida de paralisia espástica com hipertonia, hiper-reflexia e sinal de Babinski.
    • Alteração de esfíncteres (retenção – incontinência).
    • Escaras de decúbito.
    • Hipoestesia ou anestesia.

Lesão Medular




  • A: Lesão do centro branco medular (Sd. Schneider).
  • B: Lesão Cordonal Lateral da medula
  • C: Lesão Cordonal Lateral do Tronco Cerebral
  • D: Lesão Talâmica
  • E: Lesão Cortical




  • A: Polineuropatia Periférica – Lesão em “bota e luva”.
  • B: Anestesia térmico-dolorosa “suspensa” na seringomielia.
  • C: Anestesia térmico-dolorosa por lesão do trato espinotalâmico contralateral.
  • D: Sd. de Hemissecção medular.
  • E: Síndrome de Secção medular completa.
  • F: Anestesia contralateral completa (Sd. do tronco cerebral superior).

Síndrome de Parinaud

  • Parinaud, em 1883, descreveu síndrome caracterizada por paralisia do olhar conjugado vertical associada a lesões localizadas no colículo superior,na região periaquedutal.
  • Parinaud completa consiste em paralisia do olhar conjugado vertical para cima e menos freqüentemente para baixo, midríase, ausência de reação pupilar à luz e incapacidade para a convergência ocular.
  • Estrabismo convergente.
  • Nistagmo retrátil à convergência ocular e retração das pálpebras superiores - sinal de Collier.
  • Etiologia vascular, infecciosa, inflamatória, desmielinizante e tumoral.
  • Sinal de Collier: retração palpebral.





Considerações Pediátricas





Neurogênese



  • Curva de Crescimento Intra-Uterino





Considerações Pediátricas

  • Mielinização inicia-se na 10ª semana de vida: Raízes Espinhais – Reflexos.
  • Na 28ª-30ª: sistema acústico e vestibular.
  • Na 37ª: vias cerebelares.
  • Na 40ª: sistema visual.
  • Final dos 18 meses: término da mielinização.
  • 3º ano: pedúnculo cerebelar médio, radiação acústica e trato mamilotalâmico.
  • 7º ano: radiações talâmicas.






  • O SNC da criança é muito dinâmico.
  • Avaliar o DNPM.
  • Dados da anamnese: peso de nascimento, estatura, perímetro cefálico, fácies, problemas na gestação (infecções, oligoidrâmnio – indicativo de hipoplasia renal ou síndrome de Potter, poliidrâmnio – indicativo de problemas neurológicos como anencefalia, mielomeningocele, meningocele, encefalocele, trissomia do 18, hidropsia fetal), GPA, antecedentes, APGAR (1º e 5º minuto).
  • Baixo peso ao nascer: < 2500g.
  • Peso > 4000g: suspeitar de mãe diabética.







Reflexos Primitivos





Reflexos na Suspeita de Lesão





Considerações Pediátricas

  • Reflexo de Moro: “reflexo do abraçamento” – repuxar o lençol abaixo da criança... observaremos flexão-adução dos MMSS.
  • Reflexo de Magnus de Kleijn: criança fica em decúbito dorsal enquanto apoiamos nossa mão sobre o tórax da criança e com a outra mão, viramos a cabeça da mesma para um dos lados – observaremos a “posição do esgrimista”: extensão dos membros voltados para a face e flexão dos membros voltados para nuca.
  • Fontanelas: verificá-las – fechamento normal da lambdóide com 1 mês de vida e da bregmática com 12 meses de vida.
  • Verificar pulsação, turgidez, resistência = PIC ?










  • Nascimento: 35cm de PC.
  • 1º Trimestre: 2cm/mês
  • 2º Trimestre: 1cm/mês
  • 3º Trimestre: 2cm
  • 1 ano: 47cm
  • Adulto: + 10cm = 57cm
    • < percentil 5 = Microcefalia
    • > percentil 95 = Macrocefalia






  • Cefalohematoma: indicação cirúrgica – respeita as suturas cranianas.




  • Crânio:
    • Acrocefalia
    • Escafocefalia
    • Dolicocefalia
    • Braquicefalia
    • Plagiocefalia
    • Macrocefalia
    • Microfcefalia



Hidrocefalia



Sinal do Sol Poente

Considerações Pediátricas

  • Peso ao nascer: 3250g
    • Primeiros 5 dias: perda de 5-10% do peso.
    • 4 primeiros meses: ganho de 30g/dia
    • 4-7 meses: ganho de 25g/dia
    • 1 ano de idade: 3x peso do nascimento
    • 2 anos de idade: 4x peso do nascimento
    • Até puberdade: ganho de 2,4Kg/ano
  • Estatura ao nascer:
    • 50cm
    • Crescimento: 15cm em 6 meses + 10cm em 6 meses
      • 25cm em 1 ano
      • + 15cm em 1 ano (2º ano de vida)
      • + 10cm em 1 ano (3º ano de vida)



Lesão Nervosa no Parto




Paralisia de Erb : C5-C6






Paralisia de Klumpke C7-T1







Referências Bibliográficas

  • Netter`s Neurology. H. Royden Jones Jr, MD. Editora ICON – 2005.
  • Battes Propedêutica Médica. Lynn S. Bickley. Editora Guanabara Koogan, 8ª Edição, 2005.
  • Celmo Celeno Porto – Semiologia Médica. 5ª Edição, Editora Guanabara Koogan, 2005.
  • Ricardo Nitrini e Luiz Alberto Bacheschi. A Neurologia que todo Médico Deve Saber. Editora Atheneu, 2ª Edição. 2003.
  • Sebastião S. Gusmão, Gilberto Belisário Campos e Antônio Lúcio Teixeira. Exame Neurológico. Ed. Revinter, 2ª Edição, 2007.
  • Wilson Luiz Sanvito. Propedêutica Neurológica Básica. Ediitora Atheneu – 6ª Edição, 2000.

Roteiro de Exame





Exame Neurológico

  • Anamnese
    • Nome, Idade, Data, Sexo, Cor/Raça, Estado Civil, Naturalidade, Procedência, Endereço, Profissão, Filhos.
    • Queixa e Duração
    • HPMA
    • ISDA
    • Hábitos e Vícios
    • Antecedentes Pessoais
    • Antecedentes Familiares
  • Exame Físico Geral
    • Aspectos Gerais (REG, MEG, BEG); Nível de Consciência; Nutrição (Obeso -- Desnutrido); Tipo Morfológico (biotipo); Atitude (Voluntária/Involuntária); Fácies; Pele e Fâneros (mucosa, unha e pêlos); Linfonodos; Sinais Vitais (FC, FR, PA, Pulso, Temperatura); Conteúdo de Consciência.
    • Especial: avaliação dos diversos aparelhos.
  • Exame Físico Neurológico
    • Fácies e Atitude
  • Sistema Muscular e Funções
    • Manobras Deficitárias:
      • Prova dos Braços Estendidos
      • Manobra de Raimiste
      • Manobra de Mingazzini
      • Manobra de Barré
      • Outras Manobras
    • Coordenação Motora:
      • Prova do Índex-Nariz
      • Prova do Índex-Índex
      • Prova do Calcanhar-Joelho
      • Prova de Stewart-Holmes
      • Prova da Oposição do Polegar e demais dedos
      • Provas Gráficas
      • Prova de Abotoar-se e Desabotoar-se
      • Diadococinesia
  • Motilidade Voluntária
    • Execução de movimentos ativos e Força Muscular
  • Motilidade Automática
    • Marcha
  • Motilidade Involuntária
    • Hipercinesias
    • Reflexos Profundos:
      • Estilorradial
      • Bicipital e Tricipital
      • Flexor dos Dedos
      • Cúbitopronador
      • Massetérico, Oro-Orbicular, Glabelar
      • Patelar e Aquileu
    • Reflexos Superficiais:
      • Cutâneo-Abdominal
      • Cutâneo-Plantar
      • Cremastérico
  • Motilidade Involuntária
    • Outros reflexos e sinais:
      • Reflexo Palmomentoniano
      • Sinal de Hoffmann
      • Sinal de Wartenberg
      • Sinal de Babinski e alternativas
      • Sinal de Rossolimo
      • Sinal de Mendel-Bechterew
      • Reflexo de Preensão Forçada (Grasping)
      • Reflexo de Perseguição (Groping)
      • Clonus
      • Sinais de Automatismo Medular
      • Sincinesias
      • Sinal de Trousseau
      • Sinal de Chvostek
    • Reflexos Tônicos de Postura:
      • Gerais
      • Segmentares
  • Tônus Muscular:
    • Inspeção, Palpação, Percussão, Movimentação Passiva, Balanço Passivo das Articulações, Manobra do Rechaço e Rotação Passiva do Tronco
  • Trofismo
    • Pele e Anexos
    • Ossos e Articulações
    • Músculo: inspeção e palpação (mensuração)
  • Equilíbrio
    • Na posição sentada
    • Na posição ortostática
    • Sinal de Romberg
    • Sinal de Romberg Sensibilizado
  • Sensibilidade:
    • Superficial: Exteroceptiva
      • Tátil
      • Térmica
      • Dolorosa
    • Profunda: Propriocepção
      • Sensibilidade Cinético-Postural
      • Vibratória
    • Outras Formas: Associativas
      • Grafestesia
      • Esterognosia
      • Discriminação entre dois pontos
      • Extinção
  • Nervos Periféricos
    • Palpação e Inspeção
  • Sinais Meningorradiculares
    • Rigidez de Nuca
    • Sinal de Kernig, Brudzinski, Lhermitte e Laségue
  • Sistema Neurovegetativo
    • Vasomotricidade, Bexiga, Reto, Genital, Pilomotricidade e Sudorese
  • Funções Psíquicas, Psicomotoras e Psicossensoriais
    • Estado Psíquico: nível e conteúdo da consciência, humor e pensamentos.
    • Distúrbios da Comunicação: linguagem e fala.
    • Gnosias:
      • Agnosias
      • Esquema Corporal
      • Lado dominante (destrismo, sinistrismo, ambidestrismo)
    • Praxias
      • Apraxias
  • Nervos Cranianos:
    • I
    • II: acuidade, fundoscopia, campimetria.
    • III, IV e VI: diplopia, fenda palpebral, estrabismo, desvios conjugados, MOE, MOI, Pupila (reflexos).
    • V: sensibilidade, motricidade, fasciculações, reflexo corneopalpebral.
    • VII: motricidade, sensibilidade gustativa.
    • VIII: audição e vestíbulo (Romberg, nistagmo, marcha, provas oculovestibulares, desvios dos MM).
    • IX e X: motricidade (úvula, palato, deglutição, fonação), sensibilidade (gustação). Reflexo velopalatino.
    • XI: motricidade
    • XII: posição da língua in situ e exteriorizada, motilidade da língua, atrofia da língua e fasciculações.



    Cidade de Oppenheim - Alemanha