| | | | | |
HÉRNIA DE DISCO


• Hérnia discal: extrusão do disco intervertebral.

• Dor é originada por compressão dos nervos, da medula espinal, cauda eqüina e ou raízes nervosas.

• Maior incidência entre 30-40 anos.

• Níveis mais acometidos: L4-L5, L5-S1, T11-T12, C5-C6 e C6-C7.

• Os discos absorvem os impactos do sentido vertebral transformando-os em horizontais.

Os discos recebem carga de todo o corpo (são amortecedores).
O anel fibroso contém o núcleo pulposo que, por sua vez, amortece o impacto.
Núcleo pulposo: solução de proteínas e polissacarídeos que agem como um gel, absorvendo grandes quantidades de água, sendo deformável.
     - Gradualmente ocorre desidratação deste núcleo.
     - Pode ocorrer: hipertrofia das apófises, das facetas ou do ligamento amarelo.

• Quadro clínico:
     - Dor súbita que irradia para os glúteos (sugestivo de hérnia lombar); dor na região posterior da coxa, pernas, calcanhares... Parestesias e fraquezas musculares.
     - Intensidade dolorosa: variada.
     - Sinal de Lasègue: elevação passiva do membro inferior com estiramento nervoso e conseqüente dor.
     - Perda súbita do controle vesical e retal.
     - Sintomas cardíacos sugerem hérnia cervical: dores no peito, braço esquerdo, dores no pescoço, escápula, ombro, parestesias dos dedos...
     - Mielopatia associada a liberação piramidal, déficits nas vias de projeção...

• Diagnóstico:
     - Manifestações clínicas.
     - Neuroimagem:
         • Raio X.
         • Mielografia.
         • TC.
         • RM ("padrão ouro").
















Imagens sagitais da coluna lombar com contraste por densidade, mostrando protusão dos discos intervertebrais L3-L4 e L4-L5.


Tratamento:
Não-cirúrgico: evitar que o núcleo sofra novas compressões. Auxiliar na resolução da dor (repouso, posicionamento adequado, antiinflamatórios, opióides, antidepressivos, relaxantes musculares).

Cirúrgico: indicado quando há massa central causando compressão da cauda eqüina; compressão das raízes nervosas; dor ciática; recorrência da dor. Hérnias lombares são abordadas por acesso posterior com o paciente em decúbito ventral (faz-se a laminectomia). Hérnias cervicais são abordadas anteriormente enquanto que hérnias torácicas têm acesso póstero-lateral e anterior.





Técnicas de cirurgia de Coluna


Existem muitas técnicas de abordagem cirúrgicas modernas além da cirurgia clássica a céu aberto, artroscopias, microdiscectomias, discos artificiais metal com plásticos e outras mais, e nas instabilidades um também novo método veio complementar e aperfeiçoar as fixações da coluna vertebral: Dynesys, que é a estabilização dinâmica da coluna, onde não é necessário fazer fusão com enxerto ósseo, mantendo a movimentação natural dos corpos vertebrais.

NUCLEOPLASTIA


Trata-se de um tratamento minimamente invasivo, que é considerado uma alternativa ao tratamento cirúrgico convencional na falha de tratamento conservador. Os resultados clínicos são bastante promissores, pois aliviam imediatamente as dores lombares em 70% a 80% dos pacientes.

É uma terapia realizada em regime ambulatorial, em que um cateter de um milímetro de diâmetro é introduzido no interior do disco. Esse cateter transmite ondas de radiofreqüência específica que remove (coblação) e aquece o disco de maneira controlada, com o objetivo de descomprimir e promover a contração interna do disco.







Prognóstico:


Pacientes submetidos à cirurgia mostram melhora do quadro doloroso.
70-90% dos pacientes são considerados curados.