| | | | | |

FLUXO SANGÜÍNEO CEREBRAL

- 50 a 60 mL de sangue em cada 100g de tecido cerebral por minuto.
- Como órgão o cérebro ocupa 2% do peso corporal.
- Aeróbico.
- Possuidor de “filtros” = barreiras hematoencefálicas.
- Pressão Intracraniana (PIC) normal < 15mmHg
   - PAM (pressão arterial média) – PIC = PPC (pressão de perfusão cerebral).
   - Crânio é rígido e não expansível – Possuidor de herniações (diminuem PPC). Estas herniações são dobras da dura-máter.
   - Há variações da PIC devido:
      - Tecido encefálico expansível;
      - Líquor expansível;
      - Sangue expansível;
      - Condições patológicas como hematomas.

- Regulações da PIC – Medidas terapêuticas:
   - Postural: ajuste;
   - Ventilatória (manter vias aéreas limpas sem secreções);
   - Hemodinâmicas (evitar ao máximo oscilações da pressão arterial);
   - Metabólica (evitar hiper/hiposmolaridade);
   - Drenagem de LCR (líquido cefalorraquidiano) via cateter intraventricular.
- Farmacologia da regulação da PIC
   - Sedação;
   - Terapia osmótica (Manitol) – diurético osmótico
   - Neuroprotetores (Barbitúrios – sedação e queda do drive simpático)

- Dentre os fatores que determinam o aumento do fluxo sangüíneo cerebral podemos citar:
   - Alta da pressão parcial de gás carbônico;
   - Alta da concentração de hidrogênio (acidose);
   - Baixa da concentração (pressão parcial) de oxigênio.
 Substâncias ácidas deprimem a atividade neuronal, logo, é importante que o fluxo sangüíneo aumente para uma rápida remoção destas substâncias do tecido cerebral.
 Alcaloses originam vasocontrição, portanto, diminuição do fluxo sangüíneo cerebral.
 A região cerebral que estiver momentaneamente sendo utilizada sofre uma vasodilatação, aumentando assim, o fluxo sangüíneo naquele local naquele momento.

Sistema Nervoso Autônomo e o Cérebro

- O SNA simpático é extremamente importante: num estado de hipertensão o simpático causa vasodilatação nos vasos cerebrais para que não haja extravasamento do sangue por ruptura de vasos cerebrais = hemorragias cerebrais.
- Devemos lembrar que a adrenalina no cérebro causa uma vasodilatação enquanto que uma diminuição da noradrenalina causa vasoconstrição.
- Há mecanismos importantes como os “pés gliais” que evitam a transdução de líquidos para dentro do interstício cerebral.

Derrame Cerebral – AVCH

- Acidente vascular cerebral por hemorragias originadas por vasos cerebrais rompidos.
- Hipertensão com extravasamento de sangue no cérebro.

Infarto Cerebral – AVCI

- Muitas vezes originados por formações de trombos nas artérias que irrigam o sistema nervoso central – Haverá bloqueio do fluxo sangüíneo no local obstruído pelo trombo originando uma hipoperfusão e isquemia regional. Esta isquemia levará a uma acidose com perda do equilíbrio da pressão coloidosmótica e entrada de água no citoplasma celular = Edema cerebral (Swelling) originando aumento da pressão intracraniana.
- Posteriormente haverá fagocitose das células neuronais mortas por macrófagos (encefalomalácia) com diminuição da pressão intracraniana.

Sistema de Líquido Cefalorraquidiano – Líquor

- Ao todo são 150mL de líquido numa pressão constante.
- Possuem função amortecedora: faz com que o cérebro flutue no líquido.
- Contragolpe: pancada extremamente forte no crânio irá originar uma lesão num local oposto à pancada.

Acima, observe a via de fluxo do líquido cefalorraquidiano a partir dos plexos coróides nos ventrículos laterais sendo drenados pelo forame de Monro para o terceiro ventrículo passando posteriormente pelo aqueduto de Sylvius (aqueduto cerebral) atingindo o IV ventrículo. A drenagem do IV ventrículo se faz através do forame de Magendie (medial) e forame de Luschka (laterais) seguindo para as granulações aracnóideas (Pachione) para as vilosidades aracnóideas que se projetam para dentro dos seios durais. O líquor é drenado por um complexo sistema venoso que incluem: seio sagital superior e inferior, seio reto, seio transverso, seio occiptal, veias cerebrais, seio sigmóide, seio cavernoso e veias jugulares.

Algumas das principais Artérias Cerebrais a se saber (Polígono de Willis):

Polígono de Willis:
- 2 artérias vertebrais (atingem o cérebro via tronco cerebral) – são originadas das artérias subclávia direita e esquerda
- 1 artéria basilar
- 2 artérias cerebrais posteriores
- 2 artérias comunicantes posteriores
- 2 artérias carótidas internas em anastomose com as 2 artérias comunicantes posteriores dando origem a 2 artérias cerebrais médias
- 2 artérias cerebrais anteriores pré-comunicantes
- artéria cerebral comunicante anterior
- 2 artérias cerebrais anteriores pós-comunicantes

Abaixo um corte sagital do córtex.

Edema Cerebral

- Compressão dos vasos cerebrais – diminuição do fluxo sangüíneo cerebral.
- Causa comum: aumento na pressão dos capilares cerebrais.
- Concussão Cerebral: ocorre um trauma cerebral com lesões capilares e do parênquima com vazamento de líquido nesta região lesionada. Haverá perda da consciência por tempo menor que seis horas. Uma inconsciência por período superior a este tempo classificamos como lesão axonal difusa (LAD).

Mecanismo do Edema

1. Feedback positivo:

2. Fluxo Sangüíneo diminuído aumenta a permeabilidade dos capilares ocorrendo maior vazamento de líquido = EDEMA.