| | | | | |

ASPECTOS HISTOLÓGICOS DO TECIDO NERVOSO

   O tecido nervoso encontra-se distribuído por todo o nosso organismo, interligando-se e formando uma espécie de rede. É por sua vez dividido em (1) Sistema Nervoso Central (SNC) formado pelo encéfalo e medula espinhal; e (2) Sistema Nervoso Periférico (SNP), formado pelos nervos e por pequenos agregados de células nervosas denominadas gânglios nervosos. Os nervos são constituídos por prolongamentos de neurônios situados no SNC ou nos gânglios nervosos.

Sistema Nervoso Central (SNC)

Componentes: neurônio e células da glia (neuroglia).
Substância cinzenta: possuem neurônios (corpos celulares = pericários) e neuroglia;
Substância branca: possuem prolongamentos de neurônios (mielina).

Abaixo uma imagem do SNC humano.

1) Neurônio (célula nervosa):
- Dendrito: recebem informações (impulsos);
- Pericário (corpo celular): possuem função trófica;
- Axônio: conduz o impulso.


Variações do pericário:
- piriforme (formato de pera);
- esférico;
- globoso ou anguloso.

Classificações dos neurônios:
- Multipolares: apresenta mais de 2 prolongamentos
- Bipolares: 1 dendrito + 1 axônio
- Pseudo-unipolares: prolongamento único (foram bipolares).

Classificação dos neurônios quanto a função que exercem:

- Motores: SNC Periferia (Músculos): São portanto EFERENTES (saem do SNC);
- Sensitivos: Periferia SNC ------ São portanto AFERENTES (chegam ao SNC)
- Associação: associam os motores aos sensitivos.

Porções

A) Pericário:
- Núcleo com nucléolo;
- RER em abundância;
- No sexo feminino: apresenta cromatina sexual (X condensado);
- Corpúsculo de Nissl: ribossomos em conjunto + cisternas;
- Neurofilamentos (microtúbulos);
- Inclusões: melanina e lipídios.

B) Dendritos:
- Aumentam superfície receptora;
- Não possuem complexo de golgi;
- Possuem projeções nas suas periferias = gêmulas ou Botão Terminal.

C) Axônios:
- Nasce do cone de implantação;
- Possuem um segmento inicial;
- Possuem ramificações colaterais;
- Porção terminal chama-se telodendro;
Fluxo do impulso:
- Anterógrado = pericário >> telodendro
- Retrógrado = telodendro >> pericário

Obs. A raiva, por exemplo, atinge o SNC pelo fluxo retrógrado.

  Sinapses:
São regiões de transmissão de impulsos nervosos, classificadas da seguinte forma: axodendríticas; axossomáticas; dendrodendríticas e axoaxônicas.

  Células da Glia (neuroglia):

- Possuem função estrutural e metabólica.
- Para cada 1 neurônio há em média 10 células da glia.
- Recobrem os neurônios.
- Possuem capacidade reprodutiva.

São elas:

A) Astrócitos:
- Possuem prolongamentos que envolvem os capilares sangüíneos;
- Possuem os “pés vasculares”;
- Tem função de alimentar os neurônios;
- Sintetizam substâncias tróficas;
- São classificados de 2 formas: protoplasmáticos (substância cinza) e fibroso (substância branca).

B) Oligodendrócitos:
- Produzem mielina.

C) Microglia:
- Realizam fagocitoses (participam da defesa celular), são portanto macrofágicas.

D) Ependimárias:
- Possuem propriedade de revestimento (tubo neural)
- Estão em contato direto com o líquido cefalorraquidiano.

  Fibras Nervosas:
- São células envoltórias (bainha de mielina – lipoprotéica e descontínua formando os nódulos de Ranvier) do axônio ---- SNP (células de Schwann), SNC (oligodendrócitos).

- Nervos = fibra nervosa em feixes
- Envoltos por tecido conjuntivo denso (Epineuro, Perineuro e Endoneuro)
- São de 3 tipos: motores, associativos e sensitivos.

  Substância Branca e Substância Cinzenta:
- branca devido à mielina;
- cinzenta devido aos corpos de neurônios.

No SNC a substância branca encontra-se centralmente e a cinza perifericamente. Ao contrário disto, na medula, a substância branca encontra-se na periferia e a cinza centralmente.
Abaixo podemos ver um corte do cerebelo, observe a inversão das substâncias em relação à medula e observe também as camadas que o constitui:

SNP – Sistema Nervoso Periférico

Constituído pelo sistema nervoso somático (SNS) e pelo sistema nervoso autônomo (SNA), sendo que, o SNA divide-se ainda em sistema nervoso autônomo simpático, sistema nervoso autônomo parassimpático e sistema nervoso autônomo entérico.

Sistema Nervoso Autônomo (SNA)

- Controla secreções glandulares, ritmo cardíaco e musculatura lisa.
- Como objetivo principal mantém a homeostase corpórea.
- Sofre intensa influência do SNC.
- Disposição da célula nervosa: primeiro neurônio está no SNC ---- o segundo neurônio está no gânglio.
- As fibras que ligam estes dois neurônios são ditas pré-ganglionares e as fibras que partem do segundo neurônio para os efetores são ditas pós-ganglionares.
- Há 2 divisões do SNA:

SNA Parassimpático
- Pericários nas porções cranial e sacral da medula espinhal.
- Mediador químico (Pós-gânglionar): Acetilcolina
SNA Simpático
- Pericários estão nas porções torácicas e lombares da medula espinhal.
- Mediador químico (Pós-gânglionar): Noradrenalina

Obs. Normalmente os 2 sistemas nervosos autônomos são antagônicos mas em alguns casos eles funcionam complementando-se.

Funções do SNA:
(1) Gerar e conduzir impulsos;
(2) Produzir neurohormônios.

Quando há passagem do impulso pelo neurônio, por mecanismo de transporte ativo, há entrada de sódio no interior dos axônios despolarizando-os. No entanto, quando houver impulsos haverá troca de cargas, voltando ao seu estado “normal” assim que o impulso abandonar o axônio. Podemos assim concluir que as trocas de sódio e potássio delimitam a despolarização da célula nervosa e uma posterior condução do impulso nervoso.
Em neurônios amielínicos o impulso propaga-se por todo o neurônio (condução lenta). Em neurônios mielínicos o impulso propaga-se só pelos nódulos de Ranvier (impulsos saltatórios – condução com maior rapidez).
Quanto as fibras classificam-se em:
Tipo A – rápidas, nódulos de Ranvier espaçados;
Tipo B – mais lentas, nódulos próximos;
Tipo C – Amielínicos, muito lenta condução de impulso.

Obs. Ao microscópio Óptico: as vesículas de noradrenalinas são maiores que as de acetilcolina.

Degenerações e Regenerações –

  Neurônios – não regeneram-se.
  Prolongamentos (nervos) – regeneram-se com dificuldade.
  Células da neuroglia, células de Schwann e células satélites dos gânglios – regeneram-se com facilidade.

- Degeneração transneural : morte de um neurônio B devido à morte do A (normalmente não ocorre devido à rede de ligações).
- Lesões do axônio:
(1) Crematólise – dissolução do corpúsculo de Nissl;
(2) Aumenta volume do pericário;
(3) Deslocamento do núcleo para a periferia.

Obs. Quando não há junção dos fragmentos de axônios lesados, forma-se o neuroma de amputação.

Observe o esquema abaixo mostrando as regenerações do axônio (o último esquema mostra um neuroma de amputação):

- Gânglio Nervoso
- São acúmulos de neurônios fora do SNC.
- Podem estar no interior de órgãos ou associados a nervos.
- Envolvidos pelo epineuro.
- Pericário é envolvido por células satélites (cubóides).
Tipos de gânglios nervosos:
(1) gânglio cerebrospinais (sensitivos):
- Pericário periférico.
- Pericário pequeno.
- Pseudo-unipolares.
- Ligado a nervos cranianos.
(2) gânglio do SNA:
- Ligado ao sistema nervoso autônomo (simpático e parassimpático).
- Multipolares.

Obs. Único gânglio craniano (cerebrospinais) com células nervosas bipolares é o nervo vestíbulo-coclear.

Meninges
São membranas de tecido conjuntivo que envolvem o SNC. São elas: dura-máter, aracnóide e pia-máter.

  Espaço subdural: espaço existente entre a dura-máter e a aracnóide.
  Espaço subaracnóide: espaço existente entre a aracnóide e a pia-máter.

Barreira Hematoencefálica

É uma barreira funcional que dificulta a passagem de microorganismos e de certas substâncias (antibióticos, por exemplo) do sangue diretamente para o tecido nervoso. São formadas por junções finas (tight junctions), rica em zônulas de oclusão). Sua unidade funcional denomina-se neurópilo: espaço existente entre neuroglia, corpos neuronais e prolongamentos axonais além da vasculatura cerebral. Vale lembrar que os astrócitos funcionam como barreira para diversas substâncias já que estes, envolvem os vasos sangüíneos.

Plexos Corióides e Líquido Cefalorraquidiano

Os plexos são dobras vascularizadas da pia-máter. Sua função é produzir e secretar o líquido cefalorraquidiano.
O líquido cefalorraquidiano faz parte do metabolismo do SNC e o protege contra traumatismos externos (choques mecânicos) por formar uma camada líquida. Os plexos coróides são envolvidos por barreiras cerebrais denominadas barreiras hematoliquóricas.

O sistema nervoso não conta com vasos linfáticos, por isso é tão difícil tratar um edema cerebral.
Se encontrarmos numa punção de líquido cefalorraquidiano pus, faz-se o diagnóstico de meningite (inflamação ou infecção das meninges).