| | | | | |

APRESENTAÇÕES GERAIS

    O cérebro é, sem dúvida alguma, o órgão mais nobre de nosso organismo; somos indivíduos absolutamente escravos dos desejos, das vontades, das contrariedades deste órgão; nele situa-se a essência do ser humano, as qualidades, os defeitos, as manias, os medos, as compulsões, enfim todas as atitudes do ser, do sujeito.
    Nestes capítulos tentaremos dar uma visão fisiológica de como se dá o funcionamento deste órgão, das complexas redes de intercomunicações que tentamos entender mas que às vezes, ou melhor, muitas vezes, somos incapazes.
    Sabiamente disse Watson a respeito da complexidade do sistema nervoso humano: “Se nós fossemos capazes de compreender o cérebro humano por completo, seríamos tão pequenos que não o entenderíamos”.

Esquema geral do sistema nervoso –

Neurônio como célula nervosa:
- Sinais: sinapses nos dendritos ou diretamente no corpo celular – seguem normalmente uma direção = sentido anterógrado (dos dendritos para o corpo celular, axônio e por fim nos botões terminais).
- As sinapses determinam as direções dos impulsos nervosos e suas características: excitatórias (PPSE) ou inibitórias (PPSI) – como já discutimos em capítulos anteriores.
- Receptores Sensoriais:
    - Trazem (aferem ) as sensações para o sistema nervoso;
    - Podem desencadear uma resposta rápida ou de memória;
    - Regiões de recepção sensorial:
        - Medula;
        - Bulbo (retículo do bulbo);
        - Cerebelo;
        - Tálamo;
        - Córtex (áreas somestésicas)

- Os efetores: são células nervosas com missão de efetuar, desempenhar as vontades cerebrais (são componentes deste sistema):
    - Músculos estriados esqueléticos;
    - Músculos lisos;
    - Secreções endócrinas e exócrinas.

Obs. A musculatura esquelética a princípio podendo ser controlada autonomicamente pela medula, possui comando central do córtex motor, retículo do bulbo, da ponte e do mesencéfalo além das complexas influências dos núcleos da base.

Função Integradora do Sistema Nervoso –

- Muitas informações sensoriais são desprezadas pelo córtex (contato com roupas, temperatura, informações periféricas de “baixa relevância momentânea ao sistema nervoso central”).
- A função integradora = seleciona-se a sensação (informação) de “importância” naquele momento para o sistema e desencadeia-se a resposta desejada.

Armazenamento de Informações – Memória –

- Ocorre no córtex cerebral;
- Lembrança = depois de várias vezes ocorrida uma mesma série de ativações de mesmas sinapses há uma facilitação, isto é, mesmo que não aconteça o estímulo real, haverá sensação real.

Níveis Principais do Sistema Nervoso Central –

1. Nível da Medula Espinhal –
- Reflexos motores;
- Reflexos gastrointestinais, vasos sangüíneos.
- Na grande verdade, o córtex “manda” a medula executar uma função, não “ensinando” como fazer, apenas comandando o “start” da ação.

2. Nível Cerebral Inferior –
- Bulbo; ponte; mesencéfalo; hipotálamo; cerebelo e núcleos da base.
- Atividades subconscientes:
    - Pressão arterial – bulbo e ponte;
    - Equilíbrio – mesencéfalo, cerebelo e ponte.
    - Padrões emocionais – hipotálamo, tálamo, bulbo e ponte.

3. Nível Cerebral Superior –
- Córtex cerebral.
- Memória.
- Funciona em associações com o centro inferior
- Precisão nas funções.

Obs. Consultar no capítulo sobre sistema nervoso autônomo os itens referentes a sinapses, placa motora, anatomia do SNA, PPSI e PPSE no capítulo de sinapses do SNC.

    Abaixo observe atentamente as principais divisões do córtex humano: lobos frontal, parietal, temporal e occipital. O córtex de cada lobo se apresenta em pregas ou giros, separados por depressões chamadas de sulcos. Os limites entre os lobos são definidos algo arbitrariamente ao longo das linhas dos principais sulcos.

    Os principais sistemas sensoriais e o sistema motor cooperam para desempenhar a maioria das ações físicas. A entrada sensorial da pele, dos olhos e de outros órgãos da percepção é transmitida para o cérebro (via aferente). As entradas ascendem pela medula espinhal até um núcleo de retransmissão sináptica no tronco cerebral (núcleos da coluna dorsal). Estes então prosseguem para uma retransmissão sináptica no tálamo e, finalmente, atingem o córtex sensorial somático primário. Usando estas informações, o cérebro emite comandos para neurônios motores (via eferente). As vias motoras descem do córtex motor primário através do tronco cerebral para os neurônios motores da medula espinhal, e daí para a musculatura.