| | | | | |

TECIDO ÓSSEO

    O tecido ósseo é o constituinte principal do esqueleto, servindo de suporte para as partes moles e protege os órgãos vitais, como os contidos na caixa craniana e torácica e no canal raquidiano. Aloja e protege a medula óssea, formadora de células do sangue.
    Características gerais:
- vascularizado (alto metabolismo);
- proteção, conformidade e sustentação;
- hematopoiese;
- sistema de alavancas (integração com os músculos);
- armazena íons (cálcio, fósforo);
- possui origem mesenquimal.
- tecido ósseo é um tipo especializado de tecido conjuntivo, isto é, possui células e matriz óssea (calcificada).

Células do tecido ósseo:
    1) osteócitos;
    2) osteoblasto;
    3) osteoclasto (fazem anidrase carbônica, isto é, reabsorvem matriz óssea).

 Nutrição dos osteócitos depende dos canalículos;
 Matriz mineralizada ----- para o estudo há um necessário desgaste não preservando as células, só a matriz.
 Periósteo e Endósteo: são membranas conjuntivas que possuem células osteogênicas.

A) Osteócitos:
    - célula da matriz óssea;
    - cada lacuna contém 1 osteócito;
    - osteócito é alimentado por canalículos;
    - células achatadas, pouco RER e cromatina condensada.

B) Osteoblastos:
    - sintetizam parte orgânica = colágeno tipo I, PG e glicoproteínas adesivas;
    - situam-se na superfície óssea (lado a lado --- junções do tipo GAP) ;
    - quando envoltos por matriz denominam-se osteócitos.

Obs. Osteóide = matriz recém formada não calcificada.

C) Osteoclasto:
    - multinucleados com presença de lisossomos;
    - originam-se da medula óssea a ao contato com o tecido ósseo fundem-se para formar o osteoclasto multinucleado;
    - secretam ácido (fazem anidrase carbônica), enzimas, colagenase atacando o cálcio da matriz.

Obs. Mineralização: deposição de íons inorgânicos (fosfato de cálcio)
Obs`. Cálcio e fósforo formam cristas (hidroxiapatita), muito hidratado (copa de hidratação) que facilita troca de íons entre o cristal e o líquido intersticial.
A associação da hidroxiapatita com as fibras colágenas tipo I dão dureza ao tecido. Já a retirada do cálcio dá flexibilidade ao osso.

Revestimento da Superfície Óssea:

1) Camada mais superficial do periósteo: fibrilas de colágeno e fibroblastos;
                                        - fibras de Sharpey – prendem periósteo ao osso.

2) Camada mais profunda do periósteo: apresentam células osteoprogenitoras que dão origem aos osteoblastos (reparações).

3) Endósteo: constituído de células osteogênicas revestindo o canal medular, canal de Havers e canal de Volkmann.

Obs. Endósteo e periósteo: responsáveis pela nutrição, fornecimento de osteoblastos para o crescimento e reparações.

Variedades do tecido ósseo (anatomicamente):
    - sem cavidades visíveis: osso compacto;
    - com cavidades intercomunicantes: osso esponjoso.

Obs. Epífise = muito esponjosa
         Diáfise = muito compacta (delimita canal medular)

Histologicamente há 2 tipos de ossos:

1) imaturo ou primário:
    - menos mineralizado
    - fibras colágenas em várias direções.

2) maduro ou secundário:
    - fibras colágenas organizadas em lamelas, paralelas, dispondo-se em torno dos vasos sangüíneos formando o sistema de Havers (circunferencial interno, intermediário e externo).
    - Estes canais de Havers comunicam-se entre si através dos canais de Volkmann (atravessam as lamelas).

Obs. Em regiões de tração haverá osteoblastos.
Em regiões de pressão haverá osteoclastos.

Observe abaixo a estrutura da diáfise dos ossos longos:

Formação do Tecido Ósseo (ossificações) –

    Há dois tipos de formações ósseas:
1) Ossificação Intramembranosa: ocorre no interior de uma membrana conjuntiva
    - contribui para o crescimento dos ossos (longos) em espessura e também dos ossos curtos.
    - centro de ossificações primária: células mesenquimais ---- osteoblastos ---- osteóide ---- osteócitos.
    - há confluências de traves ósseas (aspecto esponjoso).
    - crescimento radial: substitui tecido conjuntivo frouxo (exemplo: crânio do recém-nascido).
    - a porção em que não ocorrer essa substituição torna-se o endósteo e o periósteo.

 Primeiro tecido ósseo formado é do tipo primário, ocorrendo então, uma gradual substituição.

2) Ossificação Endocondral:
    - cresce sobre um molde cartilaginoso.
    - há hipertrofia de condrócitos, redução da matriz cartilaginosa, mineralização e morte de condrócitos.
    - invasão de vasos sangüíneos com células osteoprogenitoras, isto é, calcificação.
    - Alastramento do centro primário ---- crescimento do cilindro ósseo. Aparecem osteoclastos “digerindo” a matriz óssea e formando o canal medular.
    - Muito mais tarde... surge o centro de ossificação secundária (nas epífises): sendo um crescimento radial.
    - Restará, por fim, cartilagens em 2 locais: nas cartilagens articulares (por toda a vida) e cartilagens epifisárias (duram até o final do crescimento ---- mais ou menos 20 anos).

Divisão das regiões das cartilagens epifisárias:
a) zona de repouso;
b) zona de cartilagem seriada;
c) zona de cartilagem hipertrófica (acúmulo de glicogênio e lipídios);
d) zona de cartilagem calcificada (morte de condrócitos);
e) zona de ossificação (tecido ósseo).

Considerações:

 Fraturas: ocorre cicatrização graças ao endósteo e o periósteo (possuem células osteoprogenitoras). No processo de reparo há ossificação endocondral e intramembranosa. No decorrer do reparo surge um calo ósseo (tecido ósseo imaturo). É necessário assim, a fisioterapia para este reparo (remodelação óssea).
 O osso é muito plástico: possui alta capacidade de remodelação.
 Calcemia (nível de cálcio na circulação sangüínea): concentração de cálcio no sangue deve ser constante, para isso há um constante intercâmbio entre o cálcio sangüíneo e o cálcio ósseo. As lamelas jovens mostram sua importância neste intercâmbio; hormônios da paratireóide são responsáveis por este controle ---- calcitonina e PTH. No hiperparatireoidismo há uma descalcificação óssea com deposição de íons em locais impróprios.
 Osteopetrose: é um defeito dos osteoclastos, a matriz torna-se petrificada, obstruindo o canal medular (cai o número de glóbulos brancos deixando o indivíduo mais exposto a doenças).
 Sensibilidades do tecido ósseo:
    - na criança a falta de vitamina D causa o raquitismo;
    - no adulto a falta de cálcio causa a osteomalácia;
    - osteoporose = quando a quantidade de tecido ósseo é pequena ---- absorção > formação.
    - Somatomedinas (estimuladas por GH): na sua falta há o nanismo; no seu excesso há o gigantismo (no adulto chamado de acromegalia).
    - Andrógenos: estimulam o crescimento ósseo.
 Tumores ósseos:
    - tecido cartilaginoso: benignos = condromas ; malignos = condrossarcomas.
    - tecido ósseo: benignos = osteomas ; malignos = osteossarcomas.