| | | | | |
NERVOS ESPINHAIS

Os nervos espinhais são cordões formados por fibras nervosas que inervam o tronco, membros e algumas regiões da cabeça com a função de receber e emitir impulsos. Eles se originam no sulco lateral anterior e lateral posterior que realizam conexões com os filamentos radiculares, que por sua vez se unem para formar as raízes dorsal e ventral dos nervos espinhais. Cada segmento da medula pertence a quatro raízes: uma raiz ventral e uma dorsal das metades esquerda e direita. Cada um dos 31 pares de nervos espinhais tem uma raiz ventral e uma dorsal e cada uma é composta pela união de 2-8 filamentos radiculares.
Na raiz dorsal do nervo espinhal está localizado um gânglio cujas fibras são sensoriais. Cada nervo espinhal, após unir as raízes dorsal e ventral formam o tronco do nervo, que sai pelo forame intervertebral. Logo depois este tronco se divide para formar o ramo primário posterior e o ramo primário anterior. O posterior inerva a musculatura do tronco e áreas das costas. O anterior participa da formação dos plexos braquial e lombossacral inervando os membros superiores e inferiores, respectivamente.

Raiz ventral: possui axônios de neurônios motores que inervam fibras musculares, alem de constituírem os neurônios pré-ganglionares do sistema nervoso autônomo do tórax região lombar e região sacral (S2-S4).

Raiz dorsal: possui fibras aferentes provenientes de seu gânglio. Ela participa de reflexos medulares e permite a transmissão de estímulos de dor, temperatura, etc.

Resumo da formação de um nervo espinhal: Os nervos são formados pela união das raízes dorsal e ventral, esta união da origem ao tronco do nervo que é misto (aferente e eferente). Este tronco deixa a coluna vertebral pelo forame intervertebral e depois se divide em um ramo dorsal e outro ventral.

Substância Cinzenta:

A substância cinzenta da medula, como já dito, apresenta um formato de borboleta ou de letra H, devido a esta disposição ela é possível dividi-la em:

 Coluna anterior (ou ponta ventral) – medula motora
 Coluna posterior (ou ponta dorsal) – medula sensorial
 Substância cinzenta intermediaria: lateral e central

A principal unidade da substância cinzenta são os corpos neuronais, logo, seus neurônios podem ser classificados conforme a sua função:

Radiculares: são os neurônios que constituem a raiz ventral dos nervos, eles podem ser divididos em: (1) viscerais, neurônios que inervam as vísceras, musculatura lisa e glândulas. Eles estão presentes na substância cinzenta intermédia lateral e são os neurônios pré-ganglionares do sistema nervoso autônomo. (2) somáticos, localizados na coluna anterior, inervam musculatura esquelética e constituem a via motora final comum.

Cordonais: são neurônios que ao atingirem substância branca tomam direção ascendente ou descendente formando os funículos da medula. Eles possuem subdivisões: (1) projeção: axônios ascendentes longos que chegam ao tálamo, cerebelo e outras regiões cuja função é integrar as vias ascendentes da medula. (2) associação: axônio que ao passar pela substância branca se divide em um ramo ascendente e descendente com ambos terminando na substância cinzenta da medula. Eles são responsáveis pelos reflexos intersegmentares da medula.

Internunciais ou de axônio curto: seus axônios permanecem na substância cinzenta, pois estes se ramificam e estabelecem conexão entre as fibras aferentes que entram pelas raízes dorsais e os neurônios motores, permitindo assim os reflexos medulares.

Coluna posterior e seus núcleos:

A coluna posterior é o local onde terminam varias fibras sensoriais, ela possui três núcleos que estão presentes por toda a extensão da medula. Eles são: o núcleo torácico (postero-marginal), substância gelatinosa e o núcleo sensorial principal (núcleo próprio). O núcleo torácico possui axônios que vão em direção ao cerebelo e está relacionado com a propriocepção inconsciente. E a substância gelatinosa funciona como o portão da dor, pois regula a entrada da dor no sistema nervoso.

Coluna anterior e seus núcleos:

É a coluna motora que se estende por toda a medula e inerva a musculatura axial e apendicular. Possui dois grupos de núcleos: o medial, que inerva a musculatura axial através de fibras que se originam dos ramos dorsais dos nervos espinhais e o lateral, que possui neurônios que inervam a musculatura do esqueleto apendicular e também inervam a musculatura através de fibras que se originam do ramos dorsais dos nervos espinhais.

Substância branca:

A substância branca é a região do sistema nervoso que possui os axônios e as fibras nervosas formadas pelos neurônios, na medula ela forma agrupamentos de fibras conhecidos como funículos. A medula possui três funículos principais: o funículo anterior, o funículo lateral e o funículo posterior.
As fibras nervosas presentes nestes funículos estão organizadas em tractos e fascículos que formam as vias ascendentes e descendentes responsáveis pela transmissão de impulsos nervosos pelo organismo.

Vias ascendentes:

São fibras da medula que se relacionam com as fibras que entram pela raiz dorsal trazendo impulsos aferentes de varias partes do corpo. Existem as vias ascendentes do funículo posterior, do funículo anterior e do funículo lateral.

Via do funículo posterior ou dorsal: dois fascículos constituem este funículo: o grácil e o cuneiforme. Estes fascículos conduzem informação sensorial primária da propriocepção consciente dos sentidos de posição e vibração, do tato discriminativo (diferencia a textura dos objetos) e da estereognosia.
O grácil tem inicio em torno de L2 da coluna vertebral e termina no núcleo grácil do bulbo; é formado de raízes sacrais, lombares, torácicas baixas e cóccigeas que penetram na coluna vertebral. Sua função é trazer impulsos dos membros inferiores, pelve e abdômen baixo.
O cuneiforme está presente na coluna torácica alta e é formada por raízes nervosas cervicais e torácicas superiores. Ele termina no núcleo cuneiforme do bulbo e conduz impulsos vindos dos membros superiores e metade superior do tronco.

Via ascendente do funículo anterior: situada na coluna posterior seus neurônios cruzam o plano mediano e formam o tracto espino-talâmico anterior cujas fibras terminam no tálamo. Estas fibras possuem capacidade de identificar pressão e tato leve.

Vias ascendentes do funículo lateral:

- Tracto espino-talâmico lateral: responsável pela condução de impulsos para percepção de temperatura e dor.
- Tracto espino-cerebelar posterior: responsável pela propriocepção.
- Tracto espino-cerebelar anterior: controle da motricidade somático pelo cerebelo.

Vias descendentes:

São fibras que se originam no córtex e tronco encefálico que fazem sinapse com neurônios medulares. Existem diversas vias, algumas são viscerais e sensoriais, entretanto as vias mais importantes são as vias descendentes somáticas, responsáveis pela atividade motora, elas são divididas em dois grandes grupos:

Pirâmidais: são vias que antes de atingir a medula passam pelas pirâmides bulbares; originam-se no córtex cerebral e conduzem impulsos através coluna anterior da medula e são representadas pelo tracto cortiço-espinhal anterior e cortico-espinhal lateral.
No seu trajeto até o bulbo ambos os tractos constituem um único feixe, o tracto cortico-espinhal, quando chega no nível das pirâmides bulbares parte deste tracto se divide e cruza o plano medial formando o tracto cortico-espinhal lateral, a outra parte continua na coluna anterior formando o tracto cortico-espinhal anterior. Este tracto em seu nível terminal (medula torácica ou sacral) cruza o plano medial e termina realizando sinapse com neurônios motores situados do lado oposto ao que entrou na medula. Assim conclui-se que um hemisfério cerebral comanda os neurônios motores situados do lado oposto aquele no qual entrou na medula, ou seja, um hemisfério comanda os movimentos voluntários do seu lado oposto (exemplo: hemisfério esquerdo comanda os movimentos do lado direito).

Extrapiramidais: são vias que não passam pelas pirâmides bulbares antes de atingir a medula. Estas vias são: o tecto-espinhal, vestíbulo-espinhal, rubro-espinhal e reticulo espinhal. Todas estas vias terminam na medula realizando sinapse com neurônios internunciais que por sua vez se conectam com neurônios motores e exercem sua função motora.

-Tracto rubro-espinhal: origina-se no núcleo rubro do mesencéfalo e controla os músculos responsáveis pela motricidade da parte distal dos membros (mãos e pés).

- Tracto vestíbulo-espinhal e reticulo-espinhal: originam-se nos núcleos vestibulares do IV ventrículo e na formação reticular do tronco encefálico respectivamente. Possuem importante função na manutenção da postura e equilíbrio.

- Tecto-espinhal, reticulo-espinhal e vestíbulo-espinhal: controlam a musculatura axial e apendicular proximal.


Sistema Autonômico Descendente: Originando- se do hipotálamo e do tronco cerebral, estas fibras se projetam para os neurônios simpáticos pré- ganglionares na medula toracolombar (coluna lateral) e para neurônios parassimpáticos pré- ganglionares nos segmentos sacros.

Fascículo Longitudinal Medial: Origina dos núcleos vestibulares do tronco cerebral. Algumas de suas fibras descem pela medula cervical para terminar nos interneurônios cinzentos ventrais. Ele coordena os movimentos da cabeça e dos olhos. Estes dois últimos sistemas de fibras descendentes só estão presentes em cada lado nos segmentos cervicais da medula.

Trato Rafeespinhal: Origina- se, em grande parte, do núcleo magno da rafe do bulbo, terminando nas lâminas externas da ponta dorsal. Esta via inibe a transmissão da informação sensorial que chega à medula.