| | | | | |
TERMINAÇÕES NERVOSAS

 As fibras nervosas sofrem modificações ns suas extremidades periféricas dando origem às suas terminações nervosas, estas, por sua vez, podem ser: sensitivas ou motoras.

Terminações nervosas sensitivas (receptores)
 Os receptores podem ser classificados segundo a sua morfologia, fisiologia e localização.

Classificação morfológica
 Os receptores podem ser: especiais (mais complexos; relacionados com o neuroepitélio fazendo parte dos órgãos especiais dos sentidos) e receptores gerais (distribuído por todo o corpo; mais concentrado na pele. Apresentam estruturas simples e podem ser classificados em livres ou encapsulados).
  Livres: são os mais freqüentes; não possuem cápsula. Exemplos: discos de Merkel (terminam em contato com as células epiteliais. São de adaptação lenta. Junto com os corpúsculos de Meissner atuam na localização específica de onde o estímulo está ocorrendo e diferencia textura dos objetos). As terminações nervosas livres são responsáveis pela sensibilidade térmica, dolorosa (terminações livres adaptadas para calor e frio, ativadas por alterações químicas provocadas por calor e frio, respectivamente) e tato;
  Encapsuladas: são mais complexas que as livres. Apresentam cápsula conjuntiva. São compreendidos os corpúsculos sensitivos da pele, fusos neuromusculares e neurotendíneo. Exemplos: corpúsculos de Meissner (presentes em regiões não pilosas; adaptam-se rápido, detectam tato, pressão e vibração em baixa freqüência; são abundantes nas pontas dos dedos, lábios e outras áreas onde sensação de tato é bem desenvolvida); corpúsculos de Ruffini (detectam toques pesados – tato e pressão; se adaptam pouco e localizam-se profundamente); corpúsculo de Pacini (tem ampla distribuição; adapta-se rapidamente; ocorre em territórios mais profundos. Estão associados com a sensibilidade vibratória, pressão e tato); fusos neuromusculares (estruturas em forma de fuso. Localizados nos músculos estriados esqueléticos. Sensibilizado pela alteração do comprimento das fibras, informando também a velocidade dos movimentos); e órgão tendinoso de Golgi (encontrados na junção dos músculos estriados com o seu tendão. Sensibilizado com a compressão).

Classificação fisiológica
 Cada receptor tem especificidade ao estímulo, e podem ser divididos fisiologicamente em: quimiorreceptores (sensíveis a estímulos químicos), osmorreceptores (detecta variação de pressão osmótica), fotorreceptores (sensíveis à luz), termorreceptores (detectam frio e calor), nociceptores (ativados por lesões de tecido) e mecanorreceptores (sensíveis a deformação mecânica de estiramento e compressão de sua estrutura e de tecidos adjacentes).

Localização
 Os receptores podem ser: exteroceptores, proprioceptores e interoceptores. Os exteroceptores estão distribuídos na superfície externa do corpo e são ativados por: calor, frio, tato, pressão, luz e som. Os proprioceptores estão mais profundamente nos músculos, tendões, ligamentos e cápsulas articulares. Os interoceptores ou visceroceptores localizam-se nas vísceras e vasos; são pouco localizados. Os exteroceptores e proprioceptores são receptores somáticos e os interoceptores são viscerais. A sensibilidade pode ser superficial (através dos exteroceptores) ou profunda (através de proprioceptores e interoceptores).

Terminações nervosas motoras
 Funcionalmente, assemelham-se às sinapses. Podem ser divididas em somáticas e viscerais:
  Somáticas: terminam nos músculos estriados esqueléticos em estruturas especializadas chamadas placas motoras. São colinérgicas;
  Viscerais: terminam nas glândulas, músculo liso ou cardíaco. Pertencem ao SNA. Podem ser divididas em colinérgicas e adrenérgicas. Diferentemente da anterior, os neurotransmissores são liberados em um trecho bastante longo e não apenas na sua extremidade. A fibra estabelece contato com um grande número de fibras musculares ou células glandulares, e terminam em varicosidades contendo vesículas sinápticas granulares (colinérgicas ou adrenérgicas) e agranulares (colinérgicas).